quinta-feira, 22 de abril de 2010

Brasil

Em 22 de abril de 1500 chegaram ao Brasil Treze ( 13 ) caravelas portuguesas lideradas por Pedro Álvares Cabral.


Fiz uma pergunta a várias pessoas, e a maioria caiu na pegadinha. Perguntei-lhes qual o nome das naus que descobriram o Brasil, e a maioria respondeu sem pestanejar: Nina, Pinta e Santa Maria! Na verdade esses são os nomes das Naus de Cristóvão Colombo.Achei isso curioso. Sabemos mais da América do que de nós mesmos, eu me incluo nessa lista. Eu não lembro o nome das naus de Pedro Álvares Cabral, lembro-me que eram treze e que uma naufragou logo no início da viagem, tinha que ter um dedo de superstição nessa história!
Recomendo um livro que li há uns anos atrás que adorei ler e tem a qualidade de ser fininho, tem apenas 140 páginas, muitas gravuras, e desce redondo: A Viagem do Descobrimento, Eduardo Bueno, Peninha para os íntimos. Ele escreve bem, faz um relato muito gostoso, esse cara falando é um show. O vi uma vez numa entrevista no programa do Jô, falaram sobre o livro e “corri” comprar o meu exemplar.
Carlos Kurare


O texto, abaixo, peguei aqui: http://www.editoras.com/objetiva/202-7.htm

• Quem eram os homens que acompanharam Cabral em sua armada?
• Quanto ganhavam para arriscar suas vidas nessa imprevisível saga?
• E Cabral, quanto ganhou para capitanear a empreitada?
• que e quanto comia a tripulação durante a travessia?
• Como suportavam os longos dias de enervantes calmarias?
• Como enfrentavam o inferno de mares tempestuosos?
• Quem patrocinou a expedição?
• Dos mais de mil homens que deixaram Lisboa com Cabral, quantos regressaram vivos?
• Quantos foram deixados na Bahia por Cabral e quantos desertaram?

O jornalista Eduardo Bueno, o Peninha, narra, em "A VIAGEM DODESCOBRIMENTO" - primeiro volume da coleção Terra Brasilis - uma das maiores aventuras jamais experimentadas pelo homem. Esta história, que durante tanto tempo nos foi contada como como mero punhado de nomes e datas a decorar, é agora desvelada como uma saga apaixonante, em que homens precisaram vencer seus limites na busca de um novo mundo.
Em "A VIAGEM DO DESCOBRIMENTO", o leitor encontrará respostas às questões acima e muitas outras extremamente reveladoras da vida cotidiana a bordo das caravelas de Cabral. Questões que até hoje eram conhecidas apenas de poucos especialistas. Eduardo Bueno nos faz descobrir novas e surpreendentes tramas em uma história que julgávamos conhecida. Com seu texto bem-humorado, repleto de casos pitorescos, ele nos apresenta um apaixonante épico - o descobrimento do Brasil.

A VIAGEM DO DESCOBRIMENTO
1.500. A armada chefiada por Pedro Álvares Cabral depara-se com mantos de ervas flutuantes balançando nas águas translúcidas do oceano. Sinal inequívoco da proximidade de terra. Após 44 dias ao mar e sete mil quilômetros, os 1.350 homens, espalhados por doze embarcações (a décima terceira fora engolida pelo mar pouco depois da partida de Lisboa), acotovelam-se à mureta das naus. "Terra à vista!" O grito longamente aguardado pode enfim ecoar. O cume de um grande monte, "mui alto e redondo", é vislumbrado. E o Brasil, descoberto.
A partir de ampla pesquisa em documentos da época e textos de especialistas, Eduardo Bueno nos leva a acompanhar o dia-a-dia dos aventureiros - marinheiros e soldados, sacerdotes e degredados - que se lançaram ao mar a bordo da esquadra de Cabral. Também conhecemos os propósitos que moviam os homens que restaram em terra, arquitetando a grande empreitada marítima dos séculos XV e XVI.
Eduardo Bueno revela, ainda, figuras históricas fascinantes. Como Gaspar da Gama, o judeu errante, que nasceu na Polônia, viveu em Alexandria, foi capturado em 1498 na Índia por Vasco da Gama, aceitou ser batizado e adotou o sobrenome do padrinho, seguindo para Portugal e tornando-se amigo do rei D. Manoel até embarcar com Cabral. Ou Mestre João, cosmógrafo e astrônomo, integrante da viagem de Cabral, o primeiro a usar o nome "Cruzeiro do Sul" para a mais importante constelação do Hemisfério Sul.
EDUARDO BUENO - Jornalista, escritor, editor e tradutor. Escreveu "História do Brasil", livro publicado em fascículos pela Folha de S. Paulo e que será lançado em breve pelo jornal Zero Hora. Escreveu também a biografia dos Mamonas Assassinas, que vendeu mais de cem mil exemplares. Como editor, foi responsável pela coleção L&PM/História, que publicou os relatos de grandes viajantes da história. Traduziu 22 livros, entre os quais "On the Road - Pé na Estrada", de Jack Kerouac, que vendeu mais de cem mil exemplares e deu início ao boom da literatura beat no Brasil. Como jornalista, trabalhou nos principais órgãos de imprensa do país, como O Estado de S. Paulo, TV Globo, revista Manchete, TV Cultura de SP, TV Educativa do RS e Zero Hora.Recentemente, escreveu o episódio "O Descobrimento do Brasil", do programa "Brasil Legal", da TV Globo, apresentado por Regina Casé.
RONALDO VAINFAS - Professor titular de História Moderna na Universidade Federal Fluminense, onde ingressou em 1978. Obteve o Mestrado na mesma universidade e o Doutorado na Universidade de São Paulo em 1988. Especialista em história colonial íbero-americana, ministrou vários cursos e conferências e participou de inúmeros congressos no Brasil e no exterior (Colômbia, Peru, México, Portugal, França, Alemanha, EUA). Entre seus livros, destacam-se "Economia e Sociedade na América Espanhola", "Ideologia e Escravidão", "Trópico dos Pecados", "A Heresia dos Índios" e "Confissões da Bahia". É supervisor técnico da Coleção Terra Brasilis”



Aquarela do Brasil
Composição: Ary Barroso

Brasil!
Meu Brasil brasileiro
Meu mulato inzoneiro
Vou cantar-te nos meus versos
O Brasil, samba que dá
Bamboleio, que faz gingar
O Brasil, do meu amor
Terra de Nosso Senhor
Brasil! Prá mim! Pra mim, pra mim
Ah! abre a cortina do passado
Tira a mãe preta do cerrado
Bota o rei congo no congado
Brasil! Prá mim! Pra mim, pra mim!
Deixa cantar de novo o trovador
A merencória luz da lua
Toda canção do meu amor
Quero ver a sá dona caminhando
Pelos salões arrastando
O seu vestido rendado
Brasil! Pra mim, pra mim, Brasil!
Brasil!
Terra boa e gostosa
Da morena sestrosa
De olhar indiferente
O Brasil, samba que dá
bamboleio que faz gingar
O Brasil, do meu amor
Terra de Nosso Senhor
Brasil!, Pra mim, pra mim, pra mim
O esse coqueiro que dá coco
Onde eu amarro a minha rede
Nas noites claras de luar
Brasil!, Pra mim, pra mim, pra mim.
Ah! e estas fontes murmurantes
Aonde eu mato a minha sede
E onde a lua vem brincar
Ah! esse Brasil lindo e trigueiro
É o meu Brasil brasileiro
Terra de samba e pandeiro
Brasil! Pra mim, pra mim! Brasil!
Brasil! Pra mim, Brasil!, Brasil!

Aquarela do Brasil - Walt Disney


This animated music film is based on the song Brazil performed by The Real Tuesday Weld with Nick Phelps and Geert Chatrou



Caetano Veloso - "Aquarela do Brasil" (1970)

7 comentários:

Isabel_Alvarenga disse...

Carlos, achei muito interessante vc falar sobre a História do Brasil e estou interessada no livro que indicou... Mas afinal, como era o nome das naus de Cabral? Não vá me dizer que tenho que ler Eduardo Bueno para saber (ou lembrar, não sei)...bjsss

Isabel_Alvarenga disse...

Ah... ficou legal a foto nova!

Carlos Kurare disse...

- Nome das naus de Cabral?
- Sei lá!!!
- Vá perguntar ao Bispo!
- São tantos os desencontros de informação.
- Veja eu sei o nome da arca do Noé!
- Sei o nome da Argo, a embarcação dos argonautas que a utilizaram em busca do Velocino de ouro.
- Sei o nome da nave que pousou na lua (Eagle).
- Sei o nome das naus que descobriram a América do Norte.
- Agora... eu o Brasil e Portugal... Não sabemos o nome das naus que descobriram o Brasil!!!
- PORTUGAL nos deve isso!!!!
Hello!!!! É só investirem “grana”, para a pesquisa, que a informação aparecerá!
- Não acredito que após 500 anos de descobrimento ainda não descobriram o nome da nau que descobriu o Brasil???!!!

Acabo de instalar a campanha:

Inventemos um nome para a magnífica Nau,
até que matem a cobra e nos mostrem o pau!
Vamos lá... respondam pra mim: Brasil ou Portugal!
Qual o nome da nave de Pedro Álvares Cabral?

- O primeiro nome que sugiro é Júpiter II (sim... a nave da família Robson de perdidos no espaço. rs) já que os historiadores estão “perdidaços” no assunto, talvez até mais do que os roteiristas de Lost.

Eu não entendo como nós e os portugueses não temos essas informações claras. Não é a toa que todos sabemos o nome das embarcações que chegaram a América e não sabemos das que chegaram ao Brasil. Começo a entender por que nosso povo não tem memória...

Perdi a paciência e tenho outras coisas para fazer... Caso haja algum professor de história que possa nos ajudar neste momento...
Naveguei na internet e encontrei um mar de sargaços, li tanta bobagem sobre o fato que desisti abaixo coloco o que li no livro do Eduardo.

1– São Gabriel era a nau capitânia (há divergências entre os historiadores não é ponto pacífico sobre se esse era realmente o nome da nau);
2- El-Rei (nau sota-capitânia);
*- “permanecem desconhecidos os nomes das outras cinco naus d’el-Rei que faziam parte da primeira divisão da esquadra de Cabral.” Eduardo Bueno.

Anônimo disse...

Parabéns ao Carlos Kurare, sabendo ou não os nomes das naus que saíram de Portugal,mas, sim,por lembrar-se de data tão histórica e importante para nosso querido PAÍS. Sem falar da composição da maravilhosa Aquarela do Brasil( os vídeos postados estão de muito bom gosto,adorei-os,assisti-os com muito interesse,são lindíssimos). Há...,o 22-04 é motivo maior de orgulho para mim,todos os anos,porque simplesmente é a data em que meu filho NASCEU !!! S.Bacana

Anônimo disse...

Silvana querida não seja gentil com o Sr.Kurare, veja só a resposta que ele deu a isabel..ele poderia ter falado de um jeito mais gentil.
Por falar em descobrimento do Brasil eu involuntariamente fiz parte da pesquisa dele, e fui mal no teste, sabe porque? Detesto a História do Brasil pois desde criança já ouvia dizer que o que liamos no livro não condizia com a história real(mas ninguém nunca me contou a história verdadeira).
E os indios como é que eles vieram param aqui no Brasil antes mesmo dos portugueses?
Se alguém leu isso em algum livro por favor me indique.
Isabel a foto que vc se referiu é essa do Carlos de perfil??
Se for, eu particularmente não gosteiPrefiro a anterior...sorrindo.
bjs
Alicce

Anônimo disse...

Legal essa enquete soubre o descobrimento do Brasil

Carlos Kurare disse...

Anônimo,

Legal né, também gostei, procure ler o livro do Eduardo Bueno é muito "irado"! Dá pra ler rapídinho e ele escreve de uma forma descontraida e leve!

Um abraço!

Carlos Kurare

Muito além de um jardim!

Flor cuidada por mim Flor Amorosa Num belo dia desejei só para mim Mulher amorosa e decente E como jardineiro diligente Semeei a...