quarta-feira, 27 de novembro de 2013

C'est la vie




Todo homem de valor é um sucesso,
 mas nem todo homem de sucesso tem valor!
Carlos Kurare
26/11/2013 18:55



Sucesso? Não... eu não persigo o sucesso,
apenas fujo desesperadamente do fracasso!

Carlos Kurare



Há tanta relatividade entre sucesso e fracasso.

No âmbito pessoal surgem por comparação.São ambos
frutos do ponto de vista do apreciador e do apreciado.
Carlos Kurare
26/11/2013 20:02


Rowan Atkinson Live - The Good Loser Legendado em Português do Brasil.




"Through the eighties Rowan Atkinson, the mastermind behind Blackadder and Mr. Bean, developed a legendary stage show that reached its height of hilarity in this 1991 performance. Filmed in front of a wildly enthusiastic Boston audience, this concert captures the off-kilter humor and deft antics of this dazzling funnyman.

This video is from Rowan Atkinson's 1981 and 1986 One Man Shows, Recorded Live at the Boston University Theatre on the 19th and 20th December 1991.
Licença padrão do YouTube"
Fonte: maxjlle - Youtube


"Apreciação
[De apreciar + -ção.]
S. f.
1. Ato ou efeito de apreciar.
2. Conceito, julgamento, opinião.
3. Análise, exame.
4. Filos. Reconhecimento do valor de uma idéia ou de um fenômeno, i. e., do grau de perfeição deles relativamente a um fim determinado; crítica.
[Cf., nesta acepç., aprovação (4) e critério (6).]"
Fonte: Dicionário Aurélio séc. XXI

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Star só...

Clique na imagem para ampliar  o cartum do genial Quino


Star só...


Estar só é um sentimento que sinto não quando estou só comigo mesmo. 

Estar só é o sentimento que sinto quando estou com gente ao meu redor, mas mesmo assim sinto-me só.

É nessas horas que sinto solidão. Quando o que tenho a falar não encontra ouvidos para me escutar. Quando o que é importante para mim não encontra receptividade no outro.

É quando minhas angústias, segredos, desejos, curiosidades sobre mim, sobre os outros e sobre o universo não encontram abrigo.

Estar só é viver com palavras que querem gritar sentimentos e intelecto no vácuo vazio do espaço humano.

Estar só comigo é um tédio! Estar só, com outros, é um veneno que interrompe as sinapses neurais e mata lentamente o intelecto e as mais belas emoções.


Star só...


Carlos Kurare

Sampa - 07/11/2013 16:55


Feliz aniversário Ary!


Elisinha Coelho - No Rancho Fundo

Fonte: http://www.youtube.com/user/lucianohortencio?feature=watch

"Música composta pelo fabuloso Ary Barroso em 1931, com versos de J. Carlos para a peça musical "É do balacobaco", com o nome de "Na grota funda".
Durante a apresentação da peça, Lamartine Babo, outro fabuloso compositor brasileiro, ficou tão impressionado pela música que resolveu fazer outros versos e deu novo título, passando a chamar-se "No rancho fundo"; a primeira gravação foi com a cantora Elisa Coelho com acompanhamento de piano e dois violões; nascia assim a parceria de Ary Barroso com Lamartine Babo.
Nascido em 7/11/1903 em Ubá MG, Ary de Resende Barroso foi um dos mais importantes compositores da música popular brasileira, com enorme produção de músicas maravilhosas e de muito sucesso. Além de radialista e homem de televisão, com programa de calouros no rádio inicialmente e depois na televisão, marcou época, assim como "flamenguista apaixonado e fanático"; fez toda sua brilhante carreira no Rio de Janeiro, onde faleceu em 9/2/1964. Os maiores sucessos de Ary Barroso foram: Aquarela do Brasil, No Tabuleiro da Baiana, Boneca de Pixe (com Luis Iglésias), Na Baixa do Sapateiro, Dá Nela, É luxo Só, No Rancho Fundo (com Lamartine Babo), Risque, Faceira e muitos outros.
Lamartine de Azevedo Babo nascido em 10/1/1904 no Rio de Janeiro, foi um dos melhores compositores brasileiros, profícuo, possuidor de fino humor, grande sensibilidade e carnavalesco.
Entre os grandes sucessos de Lamartine estão "Teu Cabelo não Nega" com Irmãos Valença, "No Rancho Fundo" com Ary Barroso, "Rasguei a Minha Fantasia", "Isto é lá com Santo Antonio", "Chegou a Hora da Fogueira", "Nada além", "A.E.I.O.U." com Noel Rosa; além de compositor foi ligado ao rádio e ao futebol, tendo sido o autor dos hinos de 11 clubes de futebol do Rio de Janeiro, entre os quais Flamengo, Fluminense, Vasco da Gama, Botafogo e América seu clube de coração. Faleceu em 16/6/1963 no Rio de Janeiro."

Dárcio Fragoso

Fonte: http://www.paixaoeromance.com/30decada/no_rancho_fundo/h_no_rancho_fundo.htm

No Rancho Fundo

Autoria: Ary Barroso e Lamartine Babo (1931)

No rancho fundo bem pra lá do fim do mundo
Onde a dor e a saudade contam coisas da cidade
No rancho fundo, de olhar triste e profundo
Um moreno canta as mágoas
Tendo os olhos rasos d'água
Pobre moreno que de noite no sereno
Espera a lua no terreiro
Tendo o cigarro por companheiro
Sem um aceno ele pega da viola
E a lua por esmola vem pro quintal deste moreno
No rancho fundo bem pra lá do fim do mundo
Nunca mais houve alegria nem de noite,nem de dia
Os arvoredos já não contam mais segredos
E a última palmeira já morreu na cordilheira
Os passarinhos internaram-se nos ninhos
De tão triste essa tristeza enche de treva a natureza
Tudo porque, só por causa do moreno
Que era grande, hoje é pequeno
Para uma casa de sapê
Se Deus soubesse da tristeza lá da serra
Mandaria lá pra cima todo o amor que há na terra
Porque o moreno vive doido de saudade
Só por causa do veneno das mulheres da cidade
Ele que era o cantor da primavera
E até fez do rancho fundo o céu melhor que há no mundo
E o sol queimando e uma flor lá desabrocha
A montanha vai reinando lembrando o aroma da cabrocha

Está postagem começou quando li o cartum do Quino, sim os desenhos do Quino são para serem lidos e não apenas vistos! 

Kurare um doce veneno!




quarta-feira, 6 de novembro de 2013

"Liberdade... abre as asas sobre nós!"

Desenho feito no Paint por Carlos Kurare


Aprendi que para lavar minha bunda, preciso tanto da minha mão direita, quanto da minha mão esquerda e percebi também que, durante esse processo, ambas se sujam.

Carlos Kurare


Liberdade de Expressão - Rowan Atkinson (legendado):



Discurso de Rowan Atkinson, o famoso criador do Mr. Bean, sobre a liberdade de expressão em campanha para a reforma da Seção 5 no Reino-Unido.

terça-feira, 5 de novembro de 2013

A paz é como a dança das flores no suave vento da primavera... mas o ano tem mais três estações e outras ventanias. Carlos Kurare




INFANTE 



O teatro da guerra não é o local para cenas de filosofia, ou poesia.

Mas não devemos, devido a tais frias circunstâncias, apenas morrer ou matar.

O campo de batalha não é só o palco dos atores da morte e da agonia.

Não devemos ser desumanos ao ponto de permitir nosso espírito amargar.


Carlos Kurare


Sampa - 26/10/2013 - 13:26


Canção da Infantaria - Exército Brasileiro - Brazilian Army




Canção da Infantaria - Exército Brasileiro
Hildo Rangel/música: Thiers Cardoso

Nós somos estes infantes
Cujos peitos amantes
Nunca temem lutar;
Vivemos,
Morremos,
Para o Brasil nos consagrar!

Nós, peitos nunca vencidos,
De valor, desmedidos,
No fragor da disputa,
Mostremos,
Que em nossa Pátria temos,
Valor imenso,
No intenso,
Da luta.

És a nobre Infantaria,
Das armas a rainha,
Por ti daria
A vida minha,
E a glória prometida,
Nos campos de batalha,
Está contigo,
Ante o inimigo,
Pelo fogo da metralha!
És a eterna majestade,
Nas linhas combatentes,
És a entidade,
Dos mais valentes.
Quando o toque da vitória
Marcar nossa alegria,
Eu cantarei,
Eu gritarei:
És a nobre Infantaria!

Brasil, te darei com amor,
Toda a seiva e vigor,
Que em meu peito se encerra,
Fuzil!
Servil!
Meu nobre amigo para guerra!

Ó! meu amado pendão,
Sagrado pavilhão,
Que a glória conduz,
Com luz,
Sublime
Amor se exprime,
Se do alto me falas,
Todo roto por balas!


A paz é como a dança das flores no suave vento da primavera... mas o ano tem mais três estações e outras ventanias. Carlos Kurare

Poemicro, Guerra, Paz, Infantaria, Infante, Exército, Forças Armadas

Poemicro, Guerra, Paz, Infantaria, Infante, Exército, Forças Armadas

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Fábulas reais...



Cantiga de Inverno


Canta-me
com tua
cantiga
no inverno
serei
tua formiga

Ludimar de Miranda



A Cigarra e a Fomriga é uma das fábulas atribuidas a Esopo, mendigo contador de histórias da Grécia que viveu entre 620 a 560 anos a.C. Consta que teria nascido em alguma cidade da Anatólia. Suas fábulas são conhecidas em todo o mundo. Esta fábula da Cigarra e a Formiga foi recontada por Jean de La Fontaine e acabou muito popularizada.

A fábula contada por Jean de La Fontaine:

Tendo a cigarra cantado durante o verão,apavorou-se com o frio da próxima estação.

Sem mosca ou verme para se alimentar, com fome foi ver a formiga, sua vizinha, pedindo-lhe alguns grãos para agëntar até vir uma época mais quentinha!

-" Eu lhe pagarei", disse ela, - "antes do verão, palavra de animal, os juros e também o capital".

A formiga não gosta de emprestar, é esse um dos seus defeitos. - "O que você fazia no calor de autrora?"perguntou-lhe com certa aspereza.

"Noite e dia, eu cantava no meu posto, sem querer dar-lhe desgosto".

- "Você cantava? Que beleza! Pois, então,dance agora!

AGORA UMA TRADUÇÃO DE BOCAGE em versos

Tendo a cigarra em cantigas

Passado todo o verão

Achou-se em penúria extrema

Na tormentosa estação.


Não lhe restando migalha

Que trincasse, a tagarela

Foi valer-se da formiga.

Que morava perto dela.


Rogou-lhe que lhe emprestasse,

Pois tinha riquesa e brilho,

Algum grão com que manter-se

Té voltar o aceso estio.


- "Amiga, diz a cigarra,

-"Prometo, à fé d'animal,

Pagar-vos antes d'agosto

Os juros e o principal.
A formiga nunca empresta,

Nunca dá, por isso junta.

- "No verão em que lidavas?"

À pedinte ela pergunta.


Responde a outra: - "Eu cantava
Noite e dia, a toda a hora".
-"Oh! bravo", torna a formiga.
-"Cantavas?`Pois dança agora!".

Muito além de um jardim!

Flor cuidada por mim Flor Amorosa Num belo dia desejei só para mim Mulher amorosa e decente E como jardineiro diligente Semeei a...