sexta-feira, 30 de abril de 2010

Verão de 42

Por falar em... verão dias de sol num post lá atrás... Lembrei-me de um filme, delicioso por sinal, que vi  há décadas. Ao ver o vídeo me deu uma vontade de assisti-lo novamente (sim eu o tenho :o) !). Quem se lembra desse filme? Comente nos comentários. O melhor comentário a respeito ganha um brinde surpresa! Vou pensar no brinde e no prazo. Não precisa ter visto o filme. Basta apenas fazer um comentário sobre a essência do filme ou da música.
Carlos Kurare

Post Scriptum
Amigos! Da onça é claro!
Não esqueçam de votar: se devo ou não, gravar o poema Vôo. 
Vejam a enquete na parte superior do Blog.








Verão de 42 - Summer of 42 - Jennifer O'Neill / Music by Michel Legrand

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Comentários


Cara Silvana Bacana...

Infelizmente não tenho como atender o seu pedido no momento.Um aprofundamento na história foge da característica do Blog. A idéia aqui é só despertar a gula, a vontade de saber mais, o Blog é apenas um aperitivo!
Meu Blog é um hobby. É um diário. Registro que ficará para os filhos, netos, pessoas amadas, amigos e inimigos inteligentes... não... não tenho inimigos burros ou pelo menos espero que não leiam o meu blog, :o)
Todos temos um legado... que deixaremos para a posteridade, ou seja: pó!
Eu deixo aqui o pó de minhas palavras, minhas idéias, meus gostos musicais, cinematográficos, literários, fotográficos, artísticos.
O Blog é para que alguém como eu e você. Alguém que partilhe dele com a mesma afeição e cuidado, com que eu o crio. Por isso não tenho paciência com os medíocres que me atacam com comentários obtusos querendo me ensinar como fazer o meu Blog ou tratar o ser humano.
Já li duas vezes como fazer amigos e influenciar pessoas, do Dale Carnegie*. E recomendo o livro. Mas não recomendo a hipocrisia de fazer amigos apenas por interesses de ego, interesses financeiros ou etc. e tal. Não sou um homem de muitos amigos. Não sou de fácil convívio, pois sou quase tão exigente com meus amigos como o sou comigo. Fico feliz ao saber que você gostaria de mais informação, mas eu tenho limitações. Uma delas é que ainda não domino certas ferramentas do Blog, e ele também tem certas limitações, talvez um dia eu monte um site e possa superar tais limitações. Mas no momento esse é o melhor que posso oferecer. E acredite... minhas dificuldades são inúmeras. Tenho artrite que me ataca as mãos, digitar é um processo penoso. Então é isso. Agradeço os seus comentários e o das outras pessoas que os fazem! Ah! Parei de postar comentários de gente obtusa. Essas que babam veneno de dragão de Komodo. Sou venenoso, mas não mordo, só o destilo em minhas palavras, quando necessário. Mas tem uma gente que gosta de reclamar. E roubar o tempo dos que produzem.
O combustível deste Blog são os comentários dos leitores! Essa interatividade me apraz. As críticas inteligentes e estimulantes são bem-vindas! Comentários como os seus são um colírio para estes olhos cansados pelo marasmo dos dias.
Obrigado!

Carlos Kurare




Post scriptum:
 Caso conheça alguém que esteja passando por dificuldades? Recomendo o livro “Como evitar preocupações e começar a viver” do próprio Dale Carnegie. É um tremendo canivete suíço.Foi-me muito útil quando tive que conviver com dores extremas, lancinantes, fustigantes, aloprantes, monstruosas, insanas demoníacas e muitos outros adjetivos que aprendi ao longo da vida sobre dor. Pois tenho grande intimidade com a Maldita!
Cito aqui algumas frases que anotei no livro. Tenho o péssimo vício de rabiscar meus livros, faço isso com lápis, com caneta e, cá entre nós, é um excelente hábito! ;o)

Carlos Kurare


Frases:

“”* Dale Carnegie (24 de novembro de 1888 - 1 de novembro de 1955) escritor norte-americano.
Dale Carnegie nasceu em 1888 no Missouri - Estados Unidos. Sua infância foi vivida num pequeno vilarejo em Maryville. Dale pertencia a uma família extremante humilde e embora trabalhasse duramente com seus pais em uma pequena fazenda o seu maior interesse era nos estudos. Formou-se na faculdade estadual de Warrensburg. Foi vendedor e aspirante a ator. Apesar de seu perfil modesto tornou-se famoso por sua ênfase na melhoria do ser humano. Carnegie foi um pioneiro e disseminou seus pensamentos mostrando como é possível transformar pessoas. Carnegie morreu em 1955 com 67 anos de idade da doença de Hodgkin’s (uma forma de câncer que se origina nos gânglios do sistema linfático). Entretanto a sua fama não morreu com ele, o seu livro, “Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas” é, ainda hoje, um dos livros mais lidos em todo o mundo e a empresa que Carnegie fundou, a Dale Carnegie Training é hoje uma organização multinacional que se tornou líder mundial em treinamentos empresariais.” Wikipedia Português - A enciclopédia livre




E por falar em comentários...

Comentários a respeito de John - Belchior

Ilha das flores - Documentário

Dica da gentil leitora Alicce: Ilha das Flores. Vídeo que eu vi há muito tempo atrás, mas que ainda embrulha o estomago em dias de verão, será que um dia... essas crianças verão dias de sol?
Carlos Kurare






Ilha das Flores
Gênero Documentário, Experimental
Diretor Jorge Furtado
Elenco Ciça Reckziegel
Ano 1989
Duração 13 min
Cor Colorido
Bitola 35mm
País Brasil
Local de Produção: RS
Um ácido e divertido retrato da mecânica da sociedade de consumo. Acompanhando a trajetória de um simples tomate, desde a plantação até ser jogado fora, o curta escancara o processo de geração de riqueza e as desigualdades que surgem no meio do caminho.
Ficha Técnica
Produção Mônica Schmiedt, Giba Assis Brasil, Nôra Gulart Fotografia Roberto Henkin, Sérgio Amon Roteiro Jorge Furtado Edição Giba Assis Brasil Direção de Arte Fiapo Barth Trilha original Geraldo Flach Narração Paulo José
Prêmios
Urso de Prata no Festival de Berlim 1990
Prêmio Crítica e Público no Festival de Clermont-Ferrand 1991
Melhor Curta no Festival de Gramado 1989
Melhor Edição no Festival de Gramado 1989
Melhor Roteiro no Festival de Gramado 1989
Prêmio da Crítica no Festival de Gramado 1989
Prêmio do Público na Competição "No Budget" no Festival de Hamburgo 1991





Corsário - Elis Regina e Zizi Possi Composição: João Bosco e Aldir Blanc 

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Por falar em Jupiter 2...


Perdidos no Espaço é uma série que conta as aventuras no espaço da família Robinson , a bordo da nave Júpiter 2, juntamente com o Robô e o Dr. Zachary Smith ( genial interpretação do ator Jonathan Harris).


Nada tema com Smith não há problema! Rs! Como esquecer esse bordão? Sinto muito crianças do século XXI, mas tive a felicidade de ver as séries do século XX. Os defeitos especiais eram muitos, mas os roteiros eram brilhantes e cativantes. Os filmes de hoje são como os anúncios estampados na maioria dos fast-foods, são belíssimos são plásticos parecem divinas aquarelas em papel branco, mas na hora que vamos comê-los têm gosto de papel e plástico. São insípidos como turfa (não confundir com trufa). :o)
Carlos Kurare


Glossário:
turfa
[Do al. Torf.] Substantivo feminino.
1. Ecol. Matéria esponjosa, mais ou menos escura, constituída de restos vegetais em variados graus de decomposição, e que se forma dentro da água, em lugares pantanosos, onde é escasso o oxigênio. É muito freqüente nas regiões de temperatura mais baixa, onde procede maciçamente de musgos do gênero Sphagum. A turfa retém grande cópia de água e forma um meio ácido e pobre.
trufa
[Do fr. truffe < provenç. ant. trufa < b.-lat. tufera < lat. tufer < lat. cláss. tuber, ‘tubérculo’.] Substantivo feminino. 1. Bot. Cogumelo subterrâneo, da família das entuberáceas, que produz corpos esporíferos tuberosos, comestíveis pelo sabor e pelo aroma agradáveis. Há várias espécies, todas européias e do gênero Tuber. [Sin.:túbera.] 2. Espécie de bombom feito inteiramente de chocolate. Dicionário Aurélio


A série
No final do século XX a Terra enfrenta o problema da super-população, que se torna crítico. A solução é a colonização do espaço sideral, começando por um planeta na órbita da estrela Alfa Centauri. Considerando o alcance da tecnologia americana, ele é o único planeta capaz fornecer condições ideais para existência humana.
Em 16 de outubro de 1997, o governo americano, através do Controle Alfa, lança a moderna e poderosa nave Júpiter 2, com a primeira família selecionada e treinada para dar início à colonização: os Robinson. É composta pelo pai John (professor de astrofísica e geofísica), pela mãe Maureen (bioquímica) e pelos filhos Judy, Penny e Will. Acompanhando-os, está o Major Donald West - piloto da nave - e um robô, programado para auxiliar a família no processo de colonização. Os Robinson e Don West foram colocados em estado de animação suspensa devido à longa viagem. O piloto automático da nave foi acionado.

Elenco da série
Entretanto, ocorre um imprevisto. O psicólogo do Controle Alfa, Coronel Zachary Smith, reprograma o robô dos Robinson para destruir a espaçonave após oitos horas de seu lançamento. Smith, na verdade, trabalha para um governo inimigo. Durante a produção da série (1965/68) o mundo estava em plena Guerra Fria, e assim, foi oportuno colocar o vilão como agente de uma potência inimiga dos Estados Unidos.
Ao fazer a checagem final de seu plano maléfico, Dr. Smith acaba ficando preso na nave e segue viagem na Júpiter 2. Com o peso extra de Smith, a nave sai de seu curso indo para o meio de uma chuva de meteoros. Após se livrar dos meteoros e anular a ação destrutiva do Robô, a família Robinson resolve tentar cumprir a missão de chegar à Alfa Centauro, apesar de estarem perdidos no espaço, pelos danos ocorridos na nave. O único a não concordar com a resolução é o "clandestino teimoso" Zachary Smith, que vai passar toda a série tentando voltar à Terra, principalmente por meio de traições e covardias. (peguei este texto aqui: retrotv.uol.com.br/ )

Perdidos no Espaço -  Primeiro Episódio completo



terça-feira, 27 de abril de 2010

Nome da nau de Cabral?


A comentarista Isabel me fez a seguinte pergunta: "Carlos, achei muito interessante vc falar sobre a História do Brasil e estou interessada no livro que indicou... Mas afinal, como era o nome das naus de Cabral?"
Como sei que algumas pessoas têm dificuldade para ler os comentários (não vou nem mencionar os que têm dificuldade de entendê-los!!!
Esta é a resposta que postei para a gentil comentarista:


- Nome das naus de Cabral?
- Sei lá!!!
- Vá perguntar ao Bispo!
- São tantos os desencontros de informações!
- Veja eu sei o nome da arca do Noé!
- Sei o nome da Argo, a embarcação dos argonautas que a utilizaram em busca do Velocino de ouro.
- Sei o nome da nave que pousou na lua (Eagle).
- Sei o nome das naus que descobriram a América do Norte.
- Agora... eu o Brasil e Portugal... Não sabemos o nome das naus que descobriram o Brasil!!!
- PORTUGAL nos deve isso!!!!
Hello!!!! É só investirem “grana”, para a pesquisa, que a informação aparecerá!
- Não acredito que após 500 anos de descobrimento ainda não descobriram o nome da nau que descobriu o Brasil???!!!


Acabo de iniciar a campanha: Quero o nome certo da nau do Cabral!


Inventemos um nome para a magnífica Nau,
até que matem a cobra e nos mostrem o pau!
Vamos lá... respondam pra mim! Brasil ou Portugal!
Qual o nome da nau de Pedro Álvares Cabral?


- O primeiro nome que sugiro é Júpiter II (sim... a nave da família Robinson  de perdidos no espaço. Já que os historiadores estão “perdidaços” no assunto, talvez... até mais do que os roteiristas de Lost.


Eu não entendo como nós e os portugueses não temos essas informações claras. Não é a toa que todos sabemos o nome das embarcações que chegaram a América do Norte, e não sabemos das que chegaram ao Brasil. Começo a entender por que nosso povo não tem memória... apenas vagas lembranças...
Perdi a paciência e tenho outras coisas para fazer... Caso haja, no recinto, algum professor de história que possa me ajudar neste momento... por favor socorra-me!Naveguei na internet e encontrei um mar de sargaços, li tanta bobagem sobre o fato que cansei de pesquisar.
São Gabriel era a nau capitânia* (há divergências entre os historiadores não é ponto pacífico sobre se esse era realmente o nome da nau). Veja detalhes das embarcações dessa época aquiCausamerita
Carlos Kurare

Nota que dá pé:
*capitânia não é o nome da nau, mas sim:
Substantivo feminino. 1. Mar. G. Em um conjunto de navios, aquele em que se acha embarcado o comandante (capitão) de uma força naval. [Cf.capitania.]


Ok... sou um incansável pesquisador: um Indiano Jonas no templo da perdição! Acabo de achar este artigo:

Um lapso histórico e suas compensações

Incerto, o nome da nau de Cabral não faz falta

"Cristóvão Colombo, qualquer colegial sabe, descobriu a América com a Santa Maria, a Pinta e a Niña. Darwin deu a volta ao mundo a bordo do Beagle. James Cook chegou à Austrália com o Endeavour e o Mayflower desembarcou peregrinos nos Estados Unidos. Agora, responda rápido: qual o nome do navio com o qual Pedro Álvares Cabral aportou no Brasil? Certo, você ignora. Diga, então, o nome de pelo menos uma das embarcações que faziam parte da esquadra cabralina. Bem, respire aliviado: não se trata de um desconhecimento indesculpável de sua parte. Com exceção dos nomes de duas naus e de uma caravela, ninguém sabe como se chamavam os navios comandados por Cabral.

Sabe-se, sim, que aquela era a maior esquadra até então enviada para singrar o Atlântico: dez naus, duas caravelas e uma naveta de mantimentos. Embora não se conheça o nome da nau capitânia, é certo que se chamava El Rei a nau sota-capitânia, chefiada pelo vice-comandante da armada, Sancho de Tovar. A outra cujo nome sobreviveu ao tempo é a Anunciada, capitaneada por Nuno Leitão da Cunha. Pertencente a dom Álvaro de Bragança, filho do duque de Bragança, fora equipada com os recursos de Bartolomeu Marchionni e Girolamo (ou Jerônimo) Sernige - banqueiros florentinos que viviam em Lisboa e investiam no tráfico de especiarias. As cartas que eles trocaram com seus sócios e acionistas italianos preservaram o nome do navio.

Olho do dono
Leitão chefiou a Anunciada a serviço de seus amos
Da frota de Cabral, sabe-se ainda o nome da caravela capitaneada por Pero de Ataíde, a São Pedro. A outra caravela, embora chefiada pelo notável Bartolomeu Dias, teve o nome tragado pelo tempo. A armada cabralina era completada por uma naveta de mantimentos, comandada por Gaspar de Lemos. Batizada não se sabe como, coube a ela retornar a Portugal com as notícias sobre o achamento do Brasil.

Embora seja lastimável a incúria dos homens que deveriam preservar essas informações, o sumiço do nome dos navios de Cabral talvez tenha tido um lado bom: milhões de estudantes brasileiros escaparam da penosa obrigação de decorá-los...
Furo duvidoso
Baseado em documento incompleto que encontrou na Torre do Tombo, Francisco Adolfo de Varnhagen, o "pai-fundador" da historiografia brasileira, identificou cinco das dez naus que compunham a frota cabralina. Seriam elas Santa Cruz, Flor de la Mar, Vitória, Espera e Espírito Santo. Como a fonte citada por Varnhagen nunca foi reencontrada, a maioria dos historiadores prefere não adotar os nomes por ele listados. A frota, assim, segue quase "anônima".
Façanha improvável
Outros historiadores do século XIX afirmaram que a nau capitânia, chefiada por Cabral, era a lendária São Gabriel - utilizada, três anos antes, por Vasco da Gama na histórica viagem em que se descobriu o caminho marítimo para a Índia. Faltam documentos para comprovar a tese. E, se Cabral de fato tivesse viajado naquela embarcação, os cronistas do reino certamente teriam alardeado fato tão extraordinário. Nenhum o fez. Menos mal: um nome a menos para decorar."
Eduardo Bueno - Época epoca.globo.com/

Corsário - Zizi Possi e Elis Regina - Composição: João Bosco e Aldir Blanc

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Sonho meu... sonho meu... eu só queria lembrar de um sonho meu. Nunca me lembro dos meus sonhos! Felizmente também não lembro... dos pesadelos!


E por falar em sonhos...
Carlos Kurare


Sonho de Ícaro - Biafra composição de Pisca e Claudio Rabello



Pretérito Imperfeito do Subjuntivo

Zizi se você não perdesse a hora!
Talvez Estivéssemos juntos agora?









Zizi Possi Perigo - Composição: Nico Rezende e Paulinho Lima


Por falar aos pedaços...

domingo, 25 de abril de 2010

Quadrinhos e Desenho...

Quadrinhos...
Hagar - Dik Browne


Basta clicar nas imagens para vê-las em tamanho grande!














Mafalda - Quino



Que tal um desenho da minha heroína Hardy(ops!) e de seu inseparável amigo Lippy
Lippy e Hardy - dublado - A Musement Park Lark

sábado, 24 de abril de 2010

O Hubble só vê estrelas... porque alto vive!

O Hubble só vê estrelas! Porque alto vive!



Há os dias que não vejo lama nos meus pés...
Há os dias que vejo, por que olho, lama em meus pés...
Há os dias que olho para a lama nos pés dos meus semelhantes...
Há os dias que olho para a lama nos pés dos meus semelhantes e a reconheço...
Há dias que, com tristeza idiossincrática, percebo que não é só lama que tenho nos pés... tenho lodo também.
Carlos Kurare




Tudo o que faço ou medito
Fica sempre na metade.
Querendo, quero o infinito.
Fazendo, nada é verdade.

Que nojo de mim me fica
Ao olhar para o que faço!
Minha alma é lúcida e rica,
E eu sou um mar de sargaço
Fernando Pessoa





Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim como em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive.

Fernando Pessoa



Hubble... Feliz vinte anos, de vida útil e... útil vida!

O Hubble é um adolescente que deu problemas, mas que cresceu com a verve dos jovens e amadureceu. Deu-nos tantas imagens belas do universo!
Com seus olhos de lince perscruta os céus, para que um dia lancemos nossas naus por ventos solares para irmos a lugares em que nenhum homem jamais foi.
Carlos Kurare



 
Telescópio Hubble
completa 20 anos
de revolução da
astronomia

Copyright © 2010 AFP
"WASHINGTON, EUA — O Hubble, primeiro telescópio espacial, que revolucionou a astronomia e a compreensão do Universo ao transmitir mais de 750.000 imagens espetaculares dos confins do Universo, completa neste fim de semana 20 anos de seu lançamento.
O telescópio foi lançado em 24 de abril de 1990 acoplado ao ônibus espacial americano Discovery, que o colocou em órbita a 600 km de altitude.
Mas o aparelho, fruto de uma colaboração entre a Nasa e a Agência Espacial Europeia, só começou a funcionar três anos mais tarde.
A lente teve que ser substituída por uma falha de concavidade. A delicada operação foi realizada em 1993 pela tripulação de um ônibus espacial.
A partir deste momento o Hubble começou a transmitir imagens assombrosas de estrelas supernova, gigantescas explosões que marcam a morte de uma estrela e o nascimento de um buraco negro, fenômeno de cuja existência os astrônomos tinham apenas suspeitas até então.
O telescópio de 12 toneladas e 13,3 metros de comprimentou fez 900.000 instantâneas, que permitiram obter 570.000 imagens de mais de 30.000 objetos celestes, alguns deles nos confins do universo.
O Hubble também permitiu confirmar a existência de matéria escura que parece contra-atacar a força da gravidade e constituiria a maior parte do universo.
Os astrônomos suspeitavam da existência desta matéria escura ("dark energy") desde a década de 1930 após as observações de galáxias.
Como uma máquina do tempo capaz de remontar milhões de anos, o Hubble detectou pequenas proto-galáxias que emitiam raios luminosos quando o universo tinha menos de um bilhão de anos.
Graças a estas observações, muito mais nítidas que as obtidas pelos mais poderosos telescópios terrestres, os cosmólogos puderam confirmar que o universo estava em rápida expansão e calcular de forma precisa sua idade, estimada em 13,7 bilhões de anos.
A aceleração é produzida por uma força misteriosa chamada energia do vazio, que constitui quase 75% do universo e equilibra a força da gravidade.
O restante do cosmos é formado por quase de 5% de matéria visível e 20% de matéria esscura.
"Sem dúvida nenhuma, o Hubble é o instrumento científico mais reconhecido e que deu o maior número de êxitos científicos da historia da humanidade", afirma Ed Weiller, alto funcionário da Nasa.
Desde a última missão de manutenção executada pelo ônibus espacial Atlantis em maio de 2009, o telescópio tem dois novos instrumentos capazes de obter instantâneas do passado remoto, até 600 a 500 milhões de anos depois do "Big bang", o momento do nascimento do universo.
Na vizinhança do planeta Terra, o Hubble observou mudanças radicais na direção dos ventos em Saturno e mostrou que Neptuno tem estações climáticas.
Esta variedade de descobertas transformou o telescópio em "ícone na psique dos americanos e do resto do mundo", destaca Weiller.
A missão do Atlantis permitiu prolongar em pelo menos cinco anos a vida útil do Hubble, à espera do sucessor, o ainda mais potente telescópio espacial infravermelho "James Webb Space Telescope (JWST)", que tem o objetivo de jogar luz sobre o momento da origem do universo".
Copyright © 2010 AFP"
As imagens do texto acima encontrei na Web.




Belchior - Divina Comédia Humana



Escrito nas Estrelas - Tetê Espíndola
Composição: Carlos Rennó e Arnaldo Black

Muito além de um jardim!

Flor cuidada por mim Flor Amorosa Num belo dia desejei só para mim Mulher amorosa e decente E como jardineiro diligente Semeei a...