sexta-feira, 14 de maio de 2010

As Duas Rosas - Castro Alves


Obrigado pela poesia!
Menina que como um balão, cheio de tanta alegria,
 por mais que se fure, nunca esvazia.
Carlos Kurare



A DUAS FLÔRES 


São duas flôres unidas 
São duas rosas nascidas 
Talvez no mesmo arrebol, 
Vivendo no mesmo galho, 
Da mesma gôta de orvalho, 
Do mesmo raio de sol. 


Unidas, bem como as penas 
Das duas asas pequenas 
De um passarinho do céu... 
Como um casal de rolinhas, 
Como a tribo de andorinhas 
Da tarde no frouxo véu. 


Unidas, bem como os prantos, 
Que em parelha descem tantos 
das profundezas do olhar... 
Como o suspiro e o desgôsto, 
Como as covinhas do rosto, 
Como as estrêlas do mar. 


Unidas... Ai quem pudera 
Numa eterna primavera 
Viver, qual vive esta flôr. 
Juntar as rosas da vida 
Na rama verde e florida, 
Na verde rama do amor! 


Castro Alves, março de 1870.


 




Sarah Brightman & Fernando Lima - Pasion

Um comentário:

Anônimo disse...

Hoje você se superou....maravilhoso...
o meu poema preferido (as duas flores)..simplesmente adorei...
esqueci de dizer que gostei da cor nova do blog...o verde ( do meu palmeiras..rs)
Beijos Carlos

Alicce

Basta um sorriso para me fazer feliz!

A rápida Reunião que advêm. Me faz rápido para alguém. Eu não sei bem de onde ela vem. Sei que nem seu nome eu sabia hem? ...