sábado, 12 de junho de 2010

Sessão Pipoca do Kurare: Tarzan o homem macaco (the ape man)

Tenho um livro que comprei há uns trinta anos. Comprei-o na livraria cultura lá do Conjunto Nacional. Um dia vou colocar algumas fotos dele aqui. É um primor. É a historia de tarzan em quadrinhos.
Carlos Kurare


O FILME DO DIA - Tarzan, o homem-macaco

Tarzan, o homem-macaco/Tarzan the ape man (EUA, 1932, pb/1.33:1, 99m, *****, RTP 2, 20h15) de W. S. van Dyke com Johnny Weissmuller, Maureen O'Sullivan, Neil Hamilton, C. Aubrey Smith, Doris Lloyd, Cheetah.

"O restolhar dos passos, as catanas a abrirem caminho através do mato, as aves esvoaçando de copa em copa, os carregadores negros, alguém que tira um lenço do bolso e estanca a correnteza do suor, rugidos ao longe, a rapariga que perde a compostura, o corajoso explorador que lhe oferece o ombro de caqui, a paragem para matar a sede, mais mato esventrado, o leão pronto a abocanhar, o estampido da espingarda, o retomar da marcha, as cataratas cantantes de frescura, mão ao alto a indicar o poiso das emoções, cobiças de ouro, tribos caça-cabeças, aquele grito sincopado a desafiar a pujança da selva, a miúda debaixo do braço, e isto de acordar em cima de um ramo ao lado de um pedaço de carne crua deve gelar o sangue que se farta!, a fome a falar mais alto que todos os medos, frutas várias a minarem a desconfiança, seres que se descobrem iguais a socos no peito e no imortal “Mim Jane, tu Tarzan”, as correrias de liana em liana, os mergulhos no cristalino dos lagos, a vida por uma faca bem cravada no coração de uma qualquer fera, carnais beijos em contra-luz no cimo do penedo… E as gargalhadas irónicas da Cheeta a convocarem a inocência do nosso olhar!

Image hosted by Photobucket.com

Foi em 1932 e aqui nascia a saga do homem-macaco. Eu e quantos milhões de crianças como eu não entranhámos África na massa do sangue, na matriz dos nossos sonhos, com este “serial” de aventuras exóticas mais do que com a banda desenhada de Edgar Rice Burroughs? Muito por culpa de Johnny Weissmiller, antigo campeão de natação que a MGM foi buscar para dar vida a Tarzan. Aqueles músculos, o porte a um tempo rude e altivo, o sorriso gaiato a fazer-nos o auto-retrato no preto e branco da tela! E Maureen O’Sullivan a desdizer Cheeta, a perder roupa no correr dos fotogramas, olhos sempre a desviarem-se para os bíceps de Tarzan, num erotismo subterrâneo que escapou às brigadas dos bons costumes! Um clássico, pois claro!" Peguei  o texto aqui



Tarzan o homem macaco (the ape man) filme de 1932 legendado em portugues br.



2 comentários:

ANÔNIMA FASCINADA disse...

Puxa Carlos Kurare,estou a-pa-vo-ra-da.Eu sou muito parecida com um coelho, pequena, tenho grandes olhos azuis,minha pele é branca, meu cabelo lisinho e... vegetariana.Sabendo do que é capaz de fazer com os coelhos decidi por segurança entrar para um zoo,aqui perto(para me desintoxicar e que não tenha laptops nas jaulas)...Agora sério adorei o filme Tarzan,este eu assistia “nas sessões da tarde”e ficava imaginando viver aquelas aventuras na selva.Você é alguém muito especial e mais importante,é centrado,sensível e capaz de se renovar a cada novo dia.Desejo que persista com seu blog,não se subestime,quando estiver desanimado,lembre-se que há muitas pessoas que entram,lêem e saem mais felizes com alguma das suas postagens.Parabéns e Goodbye,Blue Sky(que não é de Pink Floyd).

Anônimo disse...

Carlos
Foi muito bom relembrar o Tarzan, o meu tarzan preferido era o Ron Ely (gatíssimo), aproveitei a lembrança pra pesquisar sobre ele, por onde anda.
Alicce

Muito além de um jardim!

Flor cuidada por mim Flor Amorosa Num belo dia desejei só para mim Mulher amorosa e decente E como jardineiro diligente Semeei a...