segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

As mães da praça de maio...



Diga que não sentiu, prazer, diga não gostou do cheiro, diga que não deu tesão, diga que foi chato, mas não diga: nada! Diga: algo! 
Não deixe um homem ou uma mulher alimentar uma ilusão diga onde está o corpo do fracasso, diga onde está o cadáver da desilusão. Dê paz as mães da praça de maio do amor perdido.
Carlos Kurare







ALÉM DO ESPELHO


Roberto Ribeiro - "Me deixa em paz

Dica da Música da Rosânia de PE.

2 comentários:

Rê Liberato disse...

Para o seu deleite, uma pequena homenagem:

"Canto uma canção bonita,
Falando da vida, em 'Ré maior'.
Canto uma canção daquela
De filosofia,
Do mundo bem melhor.

Canto uma canção que agüente
Essa paulada, e a gente
Bate o pé no chão.
Canto uma canção daquela
Pula da janela
Bate o pé no chão.

Sem o compromisso estreito
De falar perfeito,
Coerente ou não.
Sem o verso estilizado,
O verso emocionado
Bate o pé no chão...

Canto o que não silencia
É onde principia a intuição
E nasce uma canção rimada
Da voz arrancada
Ao nosso coração

Como, sem licença, o sol
Rompe a barra da noite
Sem pedir perdão!
Hoje quem não cantaria
Grita a poesia
E bate o pé no chão!"

Lembre-se sempre...como o Sol, sem licença e sem perdão...rompe a barra da Noite...rompa você a barra da Vida...gritando a Poesia...e batendo o pé no chão...renasça...
ressurja...
Rompa os limites e desabroche...Beijo no coração

Carlos Kurare disse...

Rê,

É minha amiga, sabes que sou Phoenix. Podem me queimar à vontade, que sempre renascerei para a vida!

Um beijo sabor pitanga!

Carlos Kurare

Muito além de um jardim!

Flor cuidada por mim Flor Amorosa Num belo dia desejei só para mim Mulher amorosa e decente E como jardineiro diligente Semeei a...