quarta-feira, 30 de novembro de 2011

"A saudade mata a gente morena..."

Saudade... Ao invés de uma vírgula: Três pontos!
Carlos Kurare


A Saudade Mata a Gente - Dick Farney - Toada de João de Barro e Antônio Almeida

5 comentários:

Anônimo disse...

Bom dia,poeta!

Quem inventou o telefone? Alexander Graham Bell? Foi mesmo?Tem certeza? rs
Descobri que não!

Veja o que diz o texto a seguir:
"Há muita controvérsia sobre a invenção do telefone, que geralmente tem sido atribuída a Alexander Graham Bell.
Entretanto, como reconheceu o Congresso dos Estados Unidos através da resolução 269, de 15 de junho de 2002, o aparelho foi inventado por volta de 1860 pelo italiano Antonio Meucci, que o chamou "telégrafo falante"..[1] A primeira demonstração pública da invenção de Meucci teve lugar em 1860, e teve sua descrição publicada num jornal de língua italiana de Nova Iorque. Meucci criou o telefone com a necessidade de comunicar-se com sua esposa, que era doente e por isso ficava de cama no seu quarto no andar superior. O laboratório de Meucci ficava no térreo, assim ele não tinha condições para cuidar da esposa e trabalhar ao mesmo tempo; assim sendo, ele inventou o telefone, a fim de que se sua esposa precisasse dele não tivesse que gritar ou sair de sua casa."
http://pt.wikipedia.org/wiki/Telefone

Toda esta história sobre a origem do telefone nos faz pensar...
Pegue um "homem e coloque-o num tigela junto da tal "necessidade".
Junte um "tantão" de "saudade".
Pronto!
Chegamos ao celular com tarifas de apenas R$0,25 para todo o Brasil.
Desculpe-me pelo merchandising,mas talvez seja a dona urgência chamando.(RS)
E por falar em saudade...
Clarisse Linspector,nos explique melhor isso, ok.


Saudade (Clarisse Linspector)

"Existem várias dores...
Machucar....
Bater...
Morrer...
Mas a saudade - é a dor maior!

E, mais dolorida ainda,
é a saudade de quem se ama!
Da pele.
Do cheiro.
Do beijo.
Da presença.
Da ausência.

Quando o amor acaba,
Pra quem fica amando,
Sobra a saudade!

Saudade de não saber.
De não saber o que ocorre
Com quem se ama...

Saudade de não saber.
Não saber o que se fazer
Com os dias longos que sobram!...

É enterrar o pensamento
Em coisas vãs...
Saudade é chorar ou sorrir
Numa música...
Saudade é o silêncio
Da ausência.
É não saber...
É querer saber....
Saudade... é o sempre doer!

Saudade é um pouco como fome.
Só passa quando se come a presença.
Mas às vezes a saudade é tão profunda
Que a presença é pouco:
Quer-se absorver a outra pessoa toda.
Essa vontade de um ser o outro
Para uma unificação inteira
é um dos sentimentos mais urgentes
Que se tem na vida."

E um pouco da voz doce e encantadora de Zizi Possi...
http://www.youtube.com/watch?v=N78t3yWq5GA

"Haja O Que Houver"

"Haja o que houver
Eu estou aqui
Haja o que houver
Espero por ti
Volta no vento oh meu amor
Volta depressa por favor

Há quanto tempo
Já esqueci
Porque fiquei longe de ti
Cada momento é pior
Volta no vento
Por favor
Eu sei
Quem és pra mim

Haja o que houver
Espero por ti

Há quanto tempo
Já esqueci
Porque fiquei longe de ti
Cada momento é pior
Volta no vento
Por favor

Eu sei
Quem és
Pra mim

Haja o que houver
"Espero por ti"

http://www.vagalume.com.br/zizi-possi/haja-o-que-houver.html#ixzz1fBnIAQDl

Um beijão,
Lina Maria.

Kinha disse...

Melhor que reticências...

Salete Batista disse...

Tu anda fuçando o fundo do baú hein????Nos levando a viajar pelo passado longínquo ihihi. bju

Silvana Bacana disse...

O nome correto da escritora é Clarice Lispector e não Clarisse Linspector, feito por uma distraída anônima em um dos comentários do Blog.

Anônimo disse...

Bom dia, poeta!

Parece que ando sendo lida; aliás, muito bem lida, diga-se de passagem.(rs)
Percebi que está acontecendo um tipo de interação entre as comentaristas
do seu blog.
Li a Salete concordando comigo em seu comentário.
Não sei o porquê, mas gostei dela.
Correções são sempre bem aceitas, afinal o errar faz parte do tentar acertar.
Um abraço,
Lina Maria.

Muito além de um jardim!

Flor cuidada por mim Flor Amorosa Num belo dia desejei só para mim Mulher amorosa e decente E como jardineiro diligente Semeei a...