terça-feira, 17 de janeiro de 2012

VerDE NOVO: Guerra do Fogo...

Por ter sido pisado por muitos pés... é que me tornei um bom vinho!
Carlos Kurare


Nossa!!!


Maria Cereja, você me chamou a atenção para algo que não tinha me ocorrido!
O Mappin era uma antiga loja de departamentos que existia em Sampa. Em uma época que aqui também existia a garoa. Coisas que ficam grudadas à memória como bala de caramelo fica nos dentes. Sabe... sempre fica um resto de resto...no resto das reminiscências.

O Blog não tem fronteira, eu ainda vivo e penso na minha aldeia.
Aldeia lembra Pessoa, e eu, em pessoa, vou postar algo do Pessoa.
Aproveitar este sublime momento, no qual minha mente vagueia
Arrancar estas vestes paulistas já que sua voz ao vento ressoa.

- Carlos você está na “Guerra do Fogo”, culturas se misturam, da fusão do homem de neandertal e do homo sapiens surge uma nova tribo. A do Homo Sapiens Sapiens!

Minha tribo não tem espaço físico, ainda não tinha caído essa ficha
Preciso atentar para esse detalhe ou irei acabar saindo da “bicha”*
Afinal, se “ouço” músicas de outras aldeias, e as canto como da minha.
Por que outros não me ouviriam... e não tomariam o vinho da minha vinha?

Por ter sido pisado por muitos pés... é que me tornei um bom vinho!
Carlos Kurare
Paris - 1/4/2010 10h14min


Atualizei a minha frase para:  

Foi por ter sido pisado por muitos pés
que me tornei um bom vinho!
Carlos Kurare



*Bicha, para quem não sabe, é fila em português de Portugal.



Fernando Pessoa em pessoa

O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.
O Tejo tem grandes navios
E navega nele ainda,
Para aqueles que vêem em tudo o que lá não está,
A memória das naus.
O Tejo desce de Espanha
E o Tejo entra no mar em Portugal.
Toda a gente sabe isso.
Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia
E para onde ele vai
E donde ele vem.


E por isso porque pertence a menos gente,
É mais livre e maior o rio da minha aldeia.

Pelo Tejo vai-se para o Mundo.
Para além do Tejo há a América
E a fortuna daqueles que a encontram.
Ninguém nunca pensou no que há para além
Do rio da minha aldeia.

O rio da minha aldeia não faz pensar em nada.
Quem está ao pé dele está só ao pé dele.

                   Alberto Caeiro
 

Recomendo este filme para o final de semana: A guerra do Fogo  veja aqui: A guerra do fogo
Recomendo este livro para o final da vida( mas pode ler antes se o quiser): O Macaco Nu (no original, The Naked Ape) é o título de um livro de Desmond Morris publicado em 1967 que descreve a espécie humana através de uma perspectiva etologista, ou seja, como a que é geralmente adotada à descrição do comportamento das outras espécies animais.


Faltou a música eu a tenho mas não a encontrei no youtube vou postar outro dia. Me cobrem!




Ikuko Kawai Violín Rojo-Concierto de Aranjuez- en violin


Pronto música postada em 14/12/2011. Promessa é dívida!

Um comentário:

MIRZE disse...

COmo sempre...MAGNÍFICO!

Parabéns Kurare!

Adoro seu espaço!

Beijos

Mirze

Muito além de um jardim!

Flor cuidada por mim Flor Amorosa Num belo dia desejei só para mim Mulher amorosa e decente E como jardineiro diligente Semeei a...