quarta-feira, 27 de junho de 2012

Nó Górdio...O que não consigo desatar eu corto!


Crie laços com as pessoas que lhe fazem bem, que lhe parecem verdadeiras e desfaça os nós que lhe prendem aqueles que foram significativas na sua vida,mas infelizmente,
 por vontade própria - ou do destino, deixaram de ser...
Nó aperta, laço enfeita...
simples assim.



Nó górdio

A provável lenda do nó górdio remonta ao século VIII a.C.

Conta-se que o rei da Frígia (Ásia Menor) morreu sem deixar herdeiro e que, ao ser consultado, o Oráculo anunciou que o sucessor chegaria à cidade num carro de bois. A profecia foi cumprida por um camponês, de nome Górdio, que foi coroado. Para não esquecer de seu passado humilde ele colocou a carroça, com a qual ganhou a coroa, no templo de Zeus. E a amarrou com um nó a uma coluna, nó este impossível de desatar e que por isso ficou famoso.

Górdio reinou por muito tempo e quando morreu, seu filho Midas assumiu o trono. Midas expandiu o império, porém, ao falecer não deixou herdeiros. O Oráculo foi ouvido novamente e declarou que quem desatasse o nó de Górdio dominaria toda a Ásia Menor.

Quinhentos anos se passaram sem ninguém conseguir realizar esse feito, até que em 334 a.C Alexandre, o Grande, ouviu essa lenda ao passar pela Frígia. Intrigado com a questão, foi até o templo de Zeus observar o feito de Górdio. Após muito analisar, desembainhou sua espada e cortou o nó. Lenda ou não o fato é que Alexandre se tornou senhor de toda a Ásia Menor poucos anos depois.

É daí também que deriva a expressão "cortar o nó górdio", que significa resolver um problema complexo de maneira simples e eficaz.
Fonte: http://pt.wikipedia.org

AMELINHA - Mulher nova, bonita e... - ABOUT TO THE WOMEN TOP OF
Poema do repentista OTACILIO BATISTA" numa composição com ZÉ RAMALHO.

Um comentário:

Lina Maria disse...

Oi, Carlos!

Criar laços...desfazer nós...
Uma interessante definição da palavra "nós" faz pensar:
"Laço feito de corda ou de coisa semelhante, cujas extremidades passam uma pela outra, apertando-se." http://www.dicio.com.br/no_2/
Sob esta ótica, o "nó" une, ou seja, o nó pode ser visto, também, como um laço.
Diria que "nó" pode retratar um tipo de vínculo nocivo...que aperta...que machuca...
Laços deste tipo, segundo o título desta postagem, por não produzirem os frutos desejados,deveriam ser extintos.
Ando em busca de um laço que enfeite a vida, onde o "eu " e o tu sejam muito mais do que dois... sejam "Nós".
Abraços apertados como um laço.

Glub, glub, glub!!!

Eu sei nadar, mas me afogo em gente rasa! Carlos Kurare João Pessoa - 2018-01.22