Quimera





A bílis do adeus caustica lábios frágeis e amarga corações sinceros,
 mas ajuda a digerir relacionamentos indigestíveis.

Carlos kurare
Sampa - 8/10/2012 03:20



O Seu Amor - Doces Bárbaros


[ Cinema Paradiso ] Eu te amo - Chico Buarque  

 GILBERTO GIL - DRÃO

"Essa música confirma a tese de que a dor e o sofrimento, quando esbarram em almas sensíveis e amorosas, arrancam da alma - ao invés de revolta - poesia, doçura e encantamento...
Gil escreveu essa belíssima letra e compôs essa melodia em um momento de grande crise pessoal (término de um casamento).
Como bem dizia Vinícius de Moraes:
"Assim como o poeta
Só é grande se sofrer"
E também Tagore:
"A terra, insultada, vinga-se dando-se flores"."
ZuleideFFilgueiras
 

DrãO

Gilberto Gil

Drão!
O amor da gente
É como um grão
Uma semente de ilusão
Tem que morrer pra germinar
Plantar nalgum lugar
Ressuscitar no chão
Nossa semeadura
Quem poderá fazer
Aquele amor morrer
Nossa caminhadura
Dura caminhada
Pela noite escura...

Drão!
Não pense na separação
Não despedace o coração
O verdadeiro amor é vão
Estende-se infinito
Imenso monolito
Nossa arquitetura
Quem poderá fazer
Aquele amor morrer
Nossa caminhadura
Cama de tatame
Pela vida afora

Drão!
Os meninos são todos sãos
Os pecados são todos meus
Deus sabe a minha confissão
Não há o que perdoar
Por isso mesmo é que há de haver mais compaixão
Quem poderá fazer
Aquele amor morrer
Se o amor é como um grão
Morre, nasce trigo
Vive, morre pão
drão!
drão!



O Seu Amor
Doces Barbaros

O seu amor
Ame-o e deixe-o
Livre para amar
Livre para amar
Livre para amar
O seu amor
Ame-o e deixe-o
Ir aonde quiser
Ir aonde quiser
Ir aonde quiser
O seu amor
Ame-o e deixe-o brincar
Ame-o e deixe-o correr
Ame-o e deixe-o cansar
Ame-o e deixe-o dormir em paz
O seu amor
Ame-o e deixe-o
Ser o que ele é
Ser o que ele é
Ser o que ele é.



  Eu te amo
Tom Jobim - Chico Buarque/1980
Ah, se já perdemos a noção da hora
Se juntos já jogamos tudo fora
Me conta agora como hei de partir

Se, ao te conhecer, dei pra sonhar, fiz tantos desvarios
Rompi com o mundo, queimei meus navios
Me diz pra onde é que inda posso ir

Se nós, nas travessuras das noites eternas
Já confundimos tanto as nossas pernas
Diz com que pernas eu devo seguir

Se entornaste a nossa sorte pelo chão
Se na bagunça do teu coração
Meu sangue errou de veia e se perdeu

Como, se na desordem do armário embutido
Meu paletó enlaça o teu vestido
E o meu sapato inda pisa no teu

Como, se nos amamos feito dois pagãos
Teus seios inda estão nas minhas mãos
Me explica com que cara eu vou sair

Não, acho que estás te fazendo de tonta
Te dei meus olhos pra tomares conta
Agora conta como hei de partir

1980 © - Marola Edições Musicais Ltda.
Todos os direitos reservados
Direitos de Execução Pública controlados pelo ECAD (AMAR) Internacional Copyright Secured

Comentários

Lina Maria disse…
Delícia de músicas!!!!!!!!!!!!!!
"...Me diz pra onde é que inda posso ir?"
Abraços!

Postagens mais visitadas