sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Franqueza




Minhas palavras francas são afiadas como um bisturi esterilizado. Elas cortam, mas... não infeccionam.

Carlos Kurare 

Sampa - sexta-feira, ‎4‎ de ‎outubro‎ de ‎2013



Desconheço a autoria da frase acima.


Raimundo Fagner - Punhal de Prata - Eu Canto - 1978 - Música de Alceu Valença



EU CANTO
Gravadora: CBS (Sony Music, Nº 230.020)
Lançamento: 1978 (LP/K7)
Relançamento: 1993 (LP/CD)


PUNHAL DE PRATA
(Alceu Valença)

Eu sempre andei descalço
No encalço dessa menina
E a sola dos meus passos
Tem a pele muito fina

Eu sempre olhei nos olhos
Bem no fundo, nas retinas
E a menina dos olhos
Me mata, me aluncina

Eu sempre andei sozinho
A mão esquerda vazia
A mão direita fechada
Sem medo por garantia

De encontrar quem me ama
Na hora que me odeia
Com esse punhal de prata
Brilhando na lua cheia

Um comentário:

Sissym Mascarenhas disse...

Olá,

Concordo com a primeira frase, não adianta ler sem compreender, para isso é preciso questionar.

Bjs

Muito além de um jardim!

Flor cuidada por mim Flor Amorosa Num belo dia desejei só para mim Mulher amorosa e decente E como jardineiro diligente Semeei a...