sábado, 3 de abril de 2010

Guerreiro menino...


Hoje acordei disposto a vencer a batalha, mas algo falha...
Não acho minha espada, meu escudo? Eu o havia deixado no sofá da sala, tenho quase certeza disso...
Nem lembro onde deixei o cavalo... Mal lembro a estrada que me levará ao campo de batalha. E não vou perguntar o caminho pra ninguém!

É numa hora destas que sinto falta de uma... Dama!
Levanto-me apressadamente e me ponho a caminho, afinal lembrei-me por que devo ir à luta. Preciso de uma Dama, como um cão “vagabundo”! Ah! Espero que venha acompanhada com um prato de espaguetti. 
Carlos Kurare


Guerreiro Menino - Fagner - Composição: Gonzaguinha


16 comentários:

Anônimo disse...

Adorei..rsrs...Feliz Páscoa...

Eu

Anônimo disse...

Sr. Kurare
Hoje o seu texto esta muito melancólico...será que tem haver com a ocasião...a páscoa...a ressurreição...
Espaguetti??????? Essa não...a ocasião pediria um belo prato de bacalhau à portuguesa....rs
Bem o texto é seu...e consequentemente o prato tem que ser ao seu gosto..não é???
Aproveito a ocasião pra desejar-lhe uma feliz páscoa...e a páscoa requer mudanças, renovação..
abraços
Alicce

Anônimo disse...

Puro machismo!!texto machista,até!!
PSIU!!Voce não quer uma Dama,voce quer uma serva..sem desmerecer a classe,obviamente.Está havendo uma inversão de valores..

Carlos Kurare disse...

Texto machista?

Primeiro não sei por que pessoas não assinam o que escrevem, invente qualquer coisa, assinem, por favor! Sinceramente não sei se você é um homem ou mulher.

Anônimo sem querer desmerecer o seu intelecto, mas das duas uma, ou você não tem a aptidão necessária para entender a sutileza do texto ou eu fui robusto demais para fazer com que você entendesse a sutileza do texto. De qualquer maneira nos dois casos acima eu sugiro que você releia o texto, antes é claro dispa-se desse ódio que alimenta e envenena sua alma, afinal Kurare aqui sou eu.

Caso releia o texto e continue achando-o machista, sugiro que procure alguém com mais sensibilidade interpretativa para ajudá-lo nesta árdua tarefa de perceber que o texto e a música nada têm de machistas.
De onde tirou essa coisa de serva??? Você já foi uma serva? Você livrou-se recentemente dos grilhões da servidão? Acaba de ganhar a carta de alforria? O divórcio finalmente saiu?
Quando ler os meus textos “é sempre bom lembrar, que um copo vazio, está cheio de ar”.
Repare todos os meus textos tem uma associação ou alusão com postagens anteriores, ou seja, ou a ligação é clara ou é sutil ou até mesmo subliminar.

Leia no início do blog onde falo a diferença do criador e da criatura.
Vou aproveitar e contar aqui o processo criativo que me levou post do blog:
De repente o Fagner estava cantando essa música do Gonzaguinha, menino guerreiro, que mostra a fragilidade que às vezes um homem é tomado, afinal, qual homem não chorou (exceto é claro os psicopatas de plantão), não passou por agruras, por dificuldades, não se sentiu frágil? E que muitas vezes não se recuperou ao sentir as forças que emanaram dos braços de uma mulher amorosa e compreensiva.

Bem, resolvi postar essa música que me toca, e toquei em frente, escrevi o texto, que, aliás, achei fraco (sempre acho). Liguei para uma amiga e pedi-lhe a opinião se devia postar um texto tão fraco. E ela disse-me que gostou, então postei. O Texto fala justamente de um homem perdido, que depende de uma mulher para que o ajude a ir à luta, pois ele nem sabe pelo que lutar, nem sabe que estrada tomar para o campo de batalha (Mulheres devem ter rido muito quando o bravo guerreiro diz não saber o caminho e, não vai perguntar pra ninguém). Como os homens, deixam as coisas espalhadas as vezes ao alcance dos olhos e não as vêem (cadê meu óculos, cadê o controle remoto, cadê as chaves etc. e tal), quis deixar isso claro no texto. Afinal! O tal guerreiro mal sabe onde deixou a espada!!! Na verdade ele procura a Dama e ao perceber que é dela que ele precisa se põe ao caminho novamente. A maneira que encontrei de mostrar essa clara necessidade da busca da dama, está na alusão que é feita ao desenho a dama e o vagabundo, postado anteriormente, onde o momento mágico é o toque dos focinhos causado pelo haurir de um espaguetti.

E me chamar de machista* é arranjar um P#*@ encrenca! Pois... ou desconhece o vocábulo ou desconhece-me! Ou pior, desconhece a ambos!

*machismo
1. Atitude ou comportamento de quem não aceita a igualdade de direitos para o homem e a mulher, sendo contrário, pois, ao feminismo (q. v.).
O Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa
PS.: "desculpe o auê, eu não queria magoar você..." Não chame mais os meus textos de machista e vamos nos entender bem. Ou não. :o)

Anônimo disse...

Que coisa mais ridícula.
Nunca vi, em blog algum que tenha visitado ou comentado, tamanho desrespeito pelas pessoas que se disponham a ler suas matérias e tecer comentários a respeito.
Alguns nem são postados, outros são postados para que sirvam de válvula de escape para a histeria do autor do blog.
Tenho certeza de que todos estão notando a ausência de alguns antigos comentaristas.
Perda significativa para todos nós, pois nossa percepção nos leva a crer de que se tratava de pessoas cultas e articuladas.
Um mínimo de bom senso não faz mal a ninguém.
E de dignidade também.
E mais um detalhe, caso se sinta incomodado com os "anônimos" , retire essa opção de postagem.
Ou marque uma consulta com um bom Psicanalista.
Um blogueiro precisa ,antes de mais nada, de ter percepção subjetiva, e nisso, meu caro, sua merecida nota é bem próxima de zero.
E uma última sugestão: não faça desse espaço um campo de batalhas pessoais, sob pena de acabar sozinho.
Mais difícil do que conquistar , é preservar seus leitores.
Um velho anônimo.

Anônimo disse...

Sr. Kurare,
Eu realmente não tinha entendido a história do "Espaguetti" não fiz uma comparação com a "dama e o vagabundo" (agora eu preciso rever), olhando por esse prisma....tem lógica!
Agora pra que tanta confusão??...Se o texto para alguns tem uma conotação machista para outros não..tudo depende da interpretação...relaxa Carlos.
Alicce

Anônimo disse...

Psiu..outra vez equivocado rsrs;nenhum ódio alimenta minha alma,essa palavra?desconheço!!Não a pronuncie..atrai!!
Pare,pare..nem precisa se explicar tanto..xiii..Quem muito se explica se complica(rs);ja dizia meu pai em toda sua sapiência.
Amor..sim!!Não preciso de mais nada,a felicidade me consome!!Nem de um blog..

Carlos Kurare disse...

Hoje é outro dia...

Ainda estou com o traseiro costurado
e a barriga remendada da tal cirurgia,
Ambas deixam-me amargurado
Na mais densa e dolorida agonia.
Você ri com tamanha desenvoltura
Por que foi no meu!
E não no seu...
Que fizeram a tal costura.

Bom dia :o)

Carlos Kurare disse...

Anônimo quero lhe agradecer... você me fez pensar... me fez refletir...
Cheguei à seguinte conclusão, depois de passar horas analisando atentamente as minhas precipitadas e tresloucadas atitudes: Eu... como sempre... estou certo! A humanidade é que está errada!
Tenha um bom dia! :o)

Anônimo disse...

É impressionante a capacidade que as pessoas tem de interpretar as palavras de forma diferente.
Somente em relação a um texto seu as interpretações foram várias e lhe digo mais, isto acontece olho no olho também.
Acho que isto tem a ver com a forma como as pessoas vizualizam o mundo ( ou será a vida?)...
Vc postou... Tem gente que vai gostar , tem gente que não, mas o objetivo foi alcançado, VC foi lido e "engulido",isto basta!!!! Se desceu redondo ou não , não importa.
Não perca tempo se explicando Carlito (posso lhe chamar assim?). Sua energia tem que ser reservada para suas inspirações. Explicar, ou mesmo retrucar, para que?? Afinal, tem gente que nunca vai conseguir ver o céu azul.
Maria Cereja

Carlos Kurare disse...

O céu é azul????
Obrigado pelas palavras Maria Cereja! Quanto ao Carlitos, prefiro ser chamado de Kurare ou Carlos Kurare. Na privacidade pode me chamar de...ops! Esqueci... ainda não temos essa intimidade! Rs.

isabel disse...

Dois pontos cortados, mas bem costurado, com calma e repouso será cicatrizado.

Anônimo disse...

Olá, adorei a música com Fagner, sabe por quê? Porque ele tem uma voz especial, macia,delicada,e ainda com um sutil sotaque nordestino,o vídeo ficou ótimo acompanhado das imagens extraordinárias. Seu Carlos sortudo, que mesmo com o fiofó costurado é um felizardo, sabe por quê? Porque mesmo estropiado faz versos que me agradam,e, não tem jeito não, vai ser feliz assim mesmo, vai que dá sim, sim.GENIAL foi seu pequeno verso que conta muito, PARABÉNS por mais esse agradinho prá nós! Um beijão nas duas bochechas ( do rosto, hein!rs)Silvana Bacana .

Anônimo disse...

Tá certo!...
Apelidos carinhosos são merecedores, os íntimos.
Ahhh!... O (meu) céu é azul!

Isabel_Alvarenga disse...

Opiniões diferentes... diferentes opiniões ajudam a compor nossos pensamentos... nos enriquecem e nos levam a refletir...

Opiniões diferentes sugerem pausas... respirar profundo...(ou pelo menos deveriam)

Nesta hora: calma... muita calma... podemos estar certos (ou não!)...

Belll34

MJ FALCÃO disse...

Muito bom! pus no facebook...
Abraço do falcão

Muito além de um jardim!

Flor cuidada por mim Flor Amorosa Num belo dia desejei só para mim Mulher amorosa e decente E como jardineiro diligente Semeei a...