terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Vale a pena ver de novo!




...Nos recônditos de nossas almas, somos deliciosamente... insuportáveis!
Carlos Kurare

É muito fácil gostarem de nós, quando somos agradáveis... quando falamos o que querem ouvir. Quero ver gostarem de nós quando somos nós mesmos, com nossas idiossincrasias, nossos queixumes, nossas dúvidas, nossos maniqueísmos e nossas ambigüidades.
Pois, nos recônditos de nossas almas, somos deliciosamente... insuportáveis!
Carlos Kurare



Ah! Elis! Sua beleza morena, seus olhos gris...
Por que, eu me pergunto! Viajaste fora do combinado?
Por que partistes, sobre as asas de uma quimera de pó?

Saudade existe!
Nos duros dias que vivi... sua voz muitas vezes embalou meus sonhos, me iludiu com um dia melhor.
Elis...Dias melhores sempre acabam por vir. Vem e vão, todos os dias...
Obrigado Elis, por ter passado pelos olhos e ouvidos de um adolescente. Obrigado por continuar presente na maturidade.
Pena que você era tão frágil, e foi-se, levada pela foice da dama de branco.
Mas...Obrigado, por ter deixado resíduos no espectro de minha alma!

Carlos Kurare




Elis Regina - Conversando no Bar - cop.: Milton Nascimento e Fernando Brant





Elis Regina Ao Vivo no Chile - Conversando no bar - cop.: Milton Nascimento e Fernando Brant





Elis Regina - Atrás da Porta - ao vivo - Composição: Chico Buarque- Francis Hime




Até já ELis...

3 comentários:

margoh werneck disse...

Na definição do sentir. O silêncio.
No silêncio. A luz.

Elis....
De Onde Vens
Composição: Dori Caymmi / Nelson Motta
Ah, quanta dor vejo em teus olhos
Tanto pranto em teu sorriso
Tão vazias as tuas mãos
De onde vens assim cansada
De que dor, de qual distância
De que terras,de que mar
Só quem partiu pode voltar
E eu voltei prá te contar
Dos caminhos onde andei
Fiz do riso amargo pranto
No olhar sempre teus olhos
No peito aberto uma canção
Se eu pudesse de repente te mostrar meu coração
Saberias num momento quanta dor há dentro dele
Dor de amor quando não passa
É porque o amor valeu

saudades.
Bj

Rê Liberato disse...

Linda!!! Gostava dela exatamente porque não era perfeita...aquela perfeição toda...Porque era dúbia...porque era apaixonada pela Vida e ao mesmo tempo não cabia dentro da sua Vida...Porque cuspia suas mazelas, com um sorriso no rosto do tamanho do Universo...Porque tinha olhos de jabuticaba...brilhantes e desgostosos...
Gostava dela exatamente pela Humanidade que exalava...e que me lembrava o quão vulnerável eu sou...Por querer me apaixonar como ela; por querer amar com cada célula do meu corpo envolvida no afeto; por odiar a ponto de desejar a morte, por desejar a ponto de sentir dor na alma....
Atrás da porta é minha música...preferida...
"...Quando olhaste bem nos olhos meus e o seu olhar era de adeus...juro que não acreditei...Eu te estranhei...me debrucei sobre o seu corpo e duvidei...e me arrastei e te arranhei...e me agarrei nos seus cabelos...no seu corpo.,..seu pijama...nos seus pés...Ao pé da cama...sem coberta, sem carinho...no tapete atrás da porta...reclamei baixinho...Dei pra maldizer o nosso lar...pra xingar teu nome...te humilhar e me vingar a qualquer preço...te adorando pelo avesso...Só pra mostrar que ainda sou tua...até provar que ainda sou tua..." ...uma combinação bombástica...Elis Regina e Chico Buarque...e o meu coração dolorido toda vez que canto essa música... Beijo, Kurare

Carlos Kurare disse...

Meninas... vocês escrevem palavras tão bonitinhas, tão sensíveis, que estou seriamente pensando em publicar os comentários ao invés das minhas bobagens.
:o)

Rê, bombástica tipo bomba atômica, né?

Muito além de um jardim!

Flor cuidada por mim Flor Amorosa Num belo dia desejei só para mim Mulher amorosa e decente E como jardineiro diligente Semeei a...