quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Não há mar na Bolívia!

Bolívia

Em Olivia, vislumbrei lar!

Por uma grande querença a ela,
envolto em uma paixão singela
cortei minhas cordas, icei vela,

e quase singrei um mar!


Mas na tempestade que antevi,
tempestivamente percebi que,
entre mim e a terra que entrevi,
não há mar, não há o porquê.

E se não há mar,
por que velas içar?
Por que deveria eu partir?
se lar já não posso sentir!

Quedo-me numa pergunta voraz que no momento,
me turbilhona, dispersa e angustia o pensamento:

Há mar para amar? Há mar para atravessar?

Ou o que realmente vi, foi apenas uma miragem.
A projeção de ilha deste naúfrago de passagem.

Mergulho na espiral da resposta, já sem ar!


Ah! Mar!



Carlos Kurare

Vale - 9/1/2012 11:27h

Soneto de Separação - Vinícius de Moraes

Jow, obrigado pelas opiniões sobre a poesia acima.

3 comentários:

OPL disse...

Poxa, Seu Carlos. Muito obrigado pela consideração. Fiquei muito feliz em ser útil.

Honra minha em poder ajudar.

É bom saber como outras pessoas trabalham suas ideias. Nos ajuda a formar nossa conduta e sistema de raciocínio.

Obrigado MESMO!

Jowjow
http://nobaudedavyjones.blogspot.com/

Papyrus Antigos & Escribas Novos disse...

Muito Bom!

Carlos Kurare disse...

Obrigado pelo comentário!
Um abra

Muito além de um jardim!

Flor cuidada por mim Flor Amorosa Num belo dia desejei só para mim Mulher amorosa e decente E como jardineiro diligente Semeei a...