sábado, 20 de abril de 2013

VERde Novo: Há valores maiores em jogo... neste jogo de valores! (Carlos Kurare)


Kurare em seu requintado escritório em mais um dia de trabalho
Eu não sei o quanto valho, mas sei o quanto devo.
 Devo: ser ético, nas relações afetivas
Carlos Kurare




         - Eu sei  que há muitas mulheres, que não procuram no homem apenas segurança financeira! Mas sim: carinho, atenção, amor, ternura, diálogo, parceria, respeito, e outros tantos valores imateriais.
         - Como você tem tanta certeza disso Kurare? 
         - Simples!  Eu sou a prova viva que uma mulher pode se interessar por um homem que não tem onde cair morto!
           ?:o) 
O texto abaixo foi-me enviado por email por Drea (São Paulo-SP). 
         Carlos Kurare


Sandra Maia:



"Hoje pela manhã ouvi de uma amiga que um diamante ou um café na cama têm, para as mulheres, o mesmo peso… O carinho, a atitude, o amor em cada e em todos os momentos fazem toda a diferença.


Então, fica aqui um convite à reflexão aos homens… Nem sempre o que queremos está ligado a bens materiais, a dinheiro, a posse. Na grande maioria das vezes, só o que basta é um olhar, um tempo, uma palavra.




É, nós mulheres – diria uma boa parcela de nós – somos movidas a emoção. Somos totalmente coração. Queremos acreditar no outro, no amor, na relação – mesmo que de um jeito meio atabalhoado, ainda assim, queremos acreditar. Queremos amar e ser amadas. Queremos contar. Fazer diferença. Queremos ser a NÚMERO 1 – aquela! A escolhida, a que conta.


Então – DIA DOS NAMORADOS, 1º ANO DA RELAÇÃO, ANIVERSÁRIO DE CASAMENTO, etc, etc, têm o mesmo peso para homens e mulheres? NÃO! Lembre-se: o que nos faz mover nem sempre tem lógica…





Então, precisamos ser premiadas todo o tempo para entender o amor do outro? Talvez! Adoramos ser cortejadas, reconhecidas, gostamos de ser mimadas, acalentadas. Queremos ser mais, melhor. Queremos que o outro nos faça sentir essa preferência, essa consideração.


Devemos ou não celebrar todas essas datas? Talvez sim! Talvez para algumas relações esse ainda seja o indicador de que tudo vai bem… Que um se preocupa e quer encantar o outro durante uma vida…


Você já viu uma criança que ganha um doce? É o mesmo! Queremos ser lembradas, queremos ser reconhecidas, queremos – em alguns momentos – medalha. Veja bem: em alguns momentos! Até porque viver essa loucura todo o tempo mata! Cansa! Desanima…


Esse bem querer, essa ternura, esse amor precisa durar para sempre? Não. Senão fica tudo muito pesado. Ao final, o SEMPRE SEMPRE ACABA… Então, o que importa é o conjunto de atitudes, os detalhes, o dia-a-dia – é isso que faz a relação… A relação que floresce, cresce, rejuvenesce… O tempo que vai durar? Bem, isso é conseqüência.


A principal regra disso tudo é saber que primeiro SOMOS DIFERENTES! HOMENS E MULHERES. Agimos e pensamos de forma diferente. Amamos – de formas distintas. Isso é normal e diria até complementar.


A questão é que, se percebemos isso como uma possibilidade de crescimento ,ok – está tudo bem. Se não entendemos essa questão, vamos passar a vida numa competição a dois – que não leva a lugar nenhum.


A pergunta aqui é qual a intenção?





Estamos fazendo porque nos dá prazer? Fazemos porque é bom dar prazer para o outro? Estamos preocupados no que o outro vai pensar de nós? Fazemos porque todos fazem iguais? Agimos como se espera de um ou outro? O que queremos? O que precisamos? Que intenção colocamos nas nossas atitudes? Amor? Guerra? Paz? Competição? Cooperação? Qual será a escolha?


Isso faz toda a diferença… Se estivermos com o outro para provar algo a nós ou ao mundo que podemos, problema à vista… Não precisamos provar nada para ninguém. Não precisamos de nenhum outro para ser melhor. Não precisamos sair por aí desfilando com um anel novo depois do Dia dos Namorados ou do nosso aniversário para saber que somos amadas.


De verdade não precisamos de muito para saber se o outro está ou não conosco. Se estamos ou não com o outro… A vida, a relação, as jóias, os presentes – tudo passa. O que fica, o que levamos conosco, é mesmo o que sentimos e vivemos. E isso tudo – vale fixar – não tem preço.





Não estamos à venda, o outro não está à venda. Uma relação com base no QUAL É O SEU PREÇO tem um custo altíssimo… Fica por isso aqui o convite: se quiser fazer algo para o seu bem amado faça por que te faz bem. Receba por que é bom.


No mais, viva a vida. Seja feliz. Faça o outro feliz. Escolhas, sempre escolhas."



Sandra Maia é autora dos livros Eu Faço Tudo por Você – Histórias e Relacionamentos Codependentes, Você Está Disponível? Um Caminho para o Amor Pleno e Coisas do Amor.



Maria Bethânia - Teresinha (Ao Vivo) autoria de Chico Buarque



Postado originalmente em
19/05/12 00:01
O Blogger mudou a interface das postagens, Este layout tem muitas falhas. Espero que resolvam os problemas, que vieram de brinde, o mais  rápido possível.

6 comentários:

Arte Brasilis disse...

Muito bem escolhido o texto, Kurare. Abraços.

Carlos Kurare disse...

Arte Brasilis,

que bom que gostou! ?:0)

Si, Fosse Algo seria o Nada disse...

Um suave navegar impreciso que me conquistou...e me fez seguidora! Voltarei! bjs

Carlos Kurare disse...

Si...

Volte sempre, afinal a casa é... minha! rsrs

Carlos Kurare disse...

Menina...

Visitei o seu blog... que lindo: "Tragam flores para meus vasos sanguíneos"
Que frase poética!
Parabéns!

Kurare

Si, Fosse Algo seria o Nada disse...

Obrigada pela visita! Um beijo

Muito além de um jardim!

Flor cuidada por mim Flor Amorosa Num belo dia desejei só para mim Mulher amorosa e decente E como jardineiro diligente Semeei a...