terça-feira, 4 de maio de 2010

O NOME DE DEUS

A propósito de minhas palavras, na postagem de ontem, sobre o desconhecimento do nome de Deus... me recordo da surpresa que minha mãe, uma católica convicta, verdadeira “fã de carteirinha” do catolicismo teve quando lhe mostrei o nome de Deus escrito em sua própria Bíblia. Uma boa parte dos católicos, bem como, evangélicos mal conhecem a própria bíblia. Biblia que carregam embaixo do braço, nas mãos, ou nas gavetas empoeiradas da memória. Muitos são os cristãos que pregam palavras vazias, vazias de atos, pois... não os praticam!



vAlter Ego diz: Kurare : um cara metido a besta!
Que apesar de não saber à hora certa de calar-se!
Sabe do que fala!
Bem... pelo menos ele pensa que sabe.
... pelo menos ele pensa!
Kurare




O NOME DE DEUS

"Na Bíblia, Deus é chamado por vários nomes: ELOHIM, que significa “Deus”; ELOAH, que significa “Deus”; EL, que significa “Deus”; ELION, que significa “Altíssimo”; SHADAY, que significa “Onipotente”; ADONAY, que significa “Senhor” e YAHVEH, que significa “Ele faz existir”.
Este último nome, YAHVEH, é o único nome que é realmente o nome próprio de Deus. Os outros nomes são mais títulos do que nomes propriamente.
Este nome é derivado da forma causativa do verbo hebraico HAVAH, que significa “ser”, ou “existir”.
O nome YAHVEH aparece muitas vezes no Tanach (Antigo Testamento).
Este nome é considerado o mais sagrado dos nomes de Deus.
No entanto, na maioria das traduções da Bíblia, onde aparece o nome YAHVEH, este nome é substituído pela palavra “Senhor”.
Isto acontece pela seguinte razão:
A partir do século III A.C., os judeus deixaram de pronunciar o nome sagrado de Deus, YAHVEH, porque achavam que seria uma profanação pronunciá-lo, e por isso, ao lerem a Bíblia, onde estava escrito YAHVEH, eles pronunciavam ADONAY, que significa “Senhor”. Por este motivo, quando a Bíblia foi traduzida para o grego, onde aparecia o nome sagrado YAHVEH, eles colocaram KYRIOS, que em grego significa “Senhor”. Posteriormente, ao traduzirem a Bíblia para o latim, onde aparecia o nome sagrado, eles colocaram “Dominus”, que significa “Senhor”, e depois, quando traduziram para o português, colocaram “Senhor”.
Em algumas traduções mais modernas, onde aparece o nome YAHVEH, eles colocaram SENHOR, com todas as letras maiúsculas, para que o leitor saiba que ali a palavra SENHOR está substituindo o nome sagrado de Deus, YAHVEH. E quando no texto original da Bíblia, em hebraico, aparece o nome ADONAY, eles colocam Senhor, com apenas a inicial maiúscula.
O nome YAHVEH, quando adaptado para a língua portuguesa, fica JAVÉ, ou JAEVÉ. Isto porque, em hebraico, o nome é pronunciado YAHVEH ou YAHEVEH, conforme se pronuncie de forma mais rápida ou mais pausada.
Algumas pessoas pronunciam o nome sagrado de Deus como YEHOVAH, e o adaptam para a língua portuguesa como JEOVÁ. No entanto, a pronúncia certa é YAHVEH.
Esta divergência de pronúncia ocorreu pelas seguintes razões:
O Tanach (Antigo Testamento) foi escrito em hebraico.
No alfabeto hebraico não existiam vogais, só existiam consoantes. Não era necessário escrever as vogais, porque as pessoas que conhecem bem a língua hebraica, lêem perfeitamente o texto escrito só com consoantes, e inclusive as raízes das palavras, em hebraico, são constituídas somente de consoantes, que são vocalizadas de várias formas, para formar verbos, substantivos, adjetivos, etc.
Quando os judeus deixaram de pronunciar o nome YAHVEH, este nome continuou a ser pronunciado pelos sacerdotes, no templo, quando abençoavam o povo, com a bênção sacerdotal (Números 4:24-26). Portanto, a verdadeira pronúncia do nome sagrado continuou conhecida.
No entanto, no ano 70 D.C., o Templo de Deus foi destruído pelos romanos, e então os judeus deixaram completamente de pronunciar o nome sagrado de Deus, e por isso, aos poucos, a verdadeira pronúncia foi caindo no esquecimento, embora a tradição judaica diga que alguns rabinos, ao longo dos séculos, sabiam a verdadeira pronúncia do nome sagrado de Deus, que é também chamado de tetragrama sagrado, pois é formado por quatro consoantes: YHVH.
Na mesma ocasião em que o Templo de Deus foi destruído, foi destruída também a cidade de Jerusalém, e os judeus foram expulsos da sua terra, e foram espalhados entre as nações.
Por isso, os judeus deixaram de falar o hebraico no dia-a-dia, e passaram a usar a língua hebraica apenas para orar e ler a Bíblia, e para escrever comentários sobre a Bíblia.
Em decorrência disso, começou a surgir o risco de ninguém mais saber qual a pronúncia correta do texto da Bíblia.
Então os judeus inventaram uns sinais, constituídos de pontos e traços, que são colocados embaixo ou acima das consoantes, e que representam as vogais, e colocaram estes sinais de vogais em todo o texto do Tanach (Velho Testamento).
Como onde aparecia o nome YAHVEH eles pronunciavam ADONAY, então eles colocaram nas consoantes do nome YAHVEH, as vogais de ADONAY, e isto fez com que surgisse a forma YEHOVAH.
No entanto, dois escritores gregos cristãos antigos, um chamado Clemente de Alexandria, e outro chamado Teodoreto, escreveram o nome sagrado de Deus em letras gregas. Clemente de Alexandria escreveu IAOUE, [1][1]que se pronuncia IAUE, pois em grego OU pronuncia-se U, e Teodoreto escreveu IABE, que se pronuncia IAVE, pois em grego a letra B se pronuncia V. [2][2] A letra hebraica vav, que corresponde ao nosso v, originalmente era pronunciada com o som de u, tanto assim que em hebraico às vezes a letra vav é usada para representar o som de u. Por isso, alguns transliteram a letra vav como w, e não como v.
Clemente de Alexandria escreveu aproximadamente no ano 215 D.C., e Teodoreto escreveu aproximadamente no ano 466 D.C.
Na época em que eles escreveram, ainda se sabia a pronúncia correta do nome sagrado de Deus. Como eles escreveram em letras gregas, e no alfabeto grego existem vogais, ficamos sabendo que a pronúncia correta do nome de Deus é YAHVEH.
Inclusive, é interessante notar que os judeus, que antes usavam sempre a palavra ADONAY para substituir o nome YAHVEH na leitura da Bíblia e nas orações, de um certo tempo para cá passaram a usar, para este fim, a palavra HASHEM, que significa “O Nome”.
É possível que os rabinos que ainda conheciam a verdadeira pronúncia do nome de Deus, tenham incentivado os judeus a usarem a palavra HASHEM, para assim conservarem a memória das verdadeiras vogais do nome sagrado de Deus, pois as vogais de HASHEM são as mesmas vogais de YAHVEH.
É possível que eles tenham feito isto, por saberem que é necessário preservar a verdadeira pronúncia do nome de Deus, pois o Templo de Deus, em Jerusalém, será em breve reconstruído, e então os sacerdotes terão que usar o nome sagrado de Deus, YAHVEH, para abençoarem o povo com a bênção sacerdotal (Números 6:22-27), pois em Números 6:27, está escrito que Deus disse: “E porão o Meu Nome sobre os filhos de Israel, e eu os abençoarei.”
Existe também uma forma abreviada do nome de Deus, que é YAH. Este nome é o mesmo nome YAHVEH, porém abreviado. Este nome aparece principalmente em textos poéticos, como, por exemplo, no cântico de Moisés (Êxodo 15:2), e no Salmo 118, versículo 5. Em Isaías 12:2, aparecem as duas formas, YAH e YAHVEH, juntas, pois nesse versículo Deus chama a si mesmo de YAH YAHVEH.
Esta forma abreviada YAH aparece também na expressão HALELU YAH, que é adaptada para o português como ALELUIA, e que significa “LOUVAI A YAH”.
No nome YAH, o H final é pronunciado, como um H aspirado. Por isso, a pronúncia deste nome é YAHE.
Este nome, ao ser adaptado para a língua portuguesa, fica JAE.
Quando os judeus deixaram de pronunciar o nome de Deus, no século III A.C., cometeram um grande erro.
Eles deixaram de pronunciar o nome de Deus, porque interpretaram erradamente o mandamento de Deus que está em Êxodo 20:7, e entenderam que este mandamento significa que não se deve pronunciar o nome de Deus em vão.
No entanto, o verdadeiro significado deste mandamento é outro.
A tradução correta de Êxodo 20:7, é a seguinte: “NÃO LEVANTARÁS O NOME DE JAVÉ TEU DEUS PARA A FALSIDADE”.
Isto significa que nós não devemos usar o nome de Deus para enganar o nosso próximo, jurando pelo nome de Deus, e descumprindo o juramento.
Significa que quando nós juramos pelo nome de Deus, devemos cumprir o juramento.
Deus ordenou que nós juremos pelo nome dele, como está escrito em Deuteronômio 6:13: “A JAVÉ TEU DEUS TEMERÁS E A ELE SERVIRÁS, E PELO SEU NOME JURARÁS.”
E no Salmo 105, versículo 1, está escrito: “LOUVAI A JAVÉ, INVOCAI O SEU NOME”.
Portanto, vemos que Deus quer que nós pronunciemos o seu nome.
Em Êxodo 23:13, está escrito: “E EM TUDO O QUE VOS TENHO DITO, GUARDAI-VOS; E DO NOME DE OUTROS DEUSES NEM VOS LEMBREIS, NEM SE OUÇA DA VOSSA BOCA.”
Portanto, vemos que Deus não quer que nós pronunciemos os nomes dos outros deuses, os falsos deuses, que são demônios.
Mas Deus quer que nós pronunciemos o nome dele, e juremos pelo nome dele, e cumpramos os juramentos.
Quando Jesus Cristo começou a pregar e ensinar, ele não pôde restaurar a prática de pronunciar o nome de Deus, porque naquela época os líderes religiosos de Israel puniam com a morte as pessoas que pronunciassem o nome de Deus, a não ser os sacerdotes, no Templo, ao abençoarem o povo.
Portanto, se Jesus Cristo pronunciasse o nome de Deus, nas suas pregações, ele teria sido morto logo no início, e não teria dado tempo de ele nos passar os ensinamentos que estão escritos nos Evangelhos.
Mas, como hoje em dia os líderes religiosos não mais condenam à morte as pessoas que violam as regras estabelecidas por eles, nós já podemos voltar a pronunciar o nome de Deus, como faziam Noé, Abraão, Isaque, Jacó, Moisés, Davi, e todos os profetas.
Existem algumas pessoas que dizem que não se deve adaptar o nome YAHVEH para outras línguas. No entanto, esta adaptação é necessária, pois cada língua tem o seu sistema fonético, e existem alguns fonemas (sons) que existem em uma língua, mas não existem em outra língua.
Por exemplo: Em Português, não existe o y como semivogal, em início de sílaba, mas sim somente como vogal.
Portanto, se nós não fizermos a adaptação do nome YAHVEH para Javé, a maioria das pessoas irá pronunciar Y-AH-VEH, com três sílabas, o que é errado, pois o y aí é semivogal, e funciona como consoante, de modo que YAH é uma só sílaba, e o nome sagrado deve ser pronunciado YAH-VEH, com apenas duas sílabas, ou YA-HE-VEH, se for pronunciado de forma mais pausada.
Além disso, as pessoas não iriam pronunciar o h aspirado que existe no meio da palavra, de modo que de qualquer forma a pronúncia estaria errada.
Além disso, se não fizéssemos a adaptação para o Português, as pessoas achariam a grafia YAHVEH estranha, e não saberiam como pronunciar, e acabariam não pronunciando, ou evitando pronunciar.
Como Deus é o Criador de todas as nações, e todas as nações devem adorá-lo, então o Seu nome deve ser adaptado para todas as línguas.
Portanto, aqui no Brasil, podemos pronunciar o nome de Deus nas suas formas adaptadas para a língua portuguesa, que são Javé, Jaevé e Jae.
Para mais detalhes sobre este assunto, vejam também a página chamada  COMO É A PRONUNCIA DO NOME ORIGINAL DE DEUS?
Que Javé (Yahveh) vos abençoe."
Fonte: www.adventistas-bereanos.com.br


Oficina G3 - Glória


Se eu quiser falar com Deus - Gilberto Gil - composição de Gilberto Gil



Se eu quiser falar com Deus -Alma+ - composição de Gilberto Gil

17 comentários:

Anônimo disse...

Olá! muito boa e detalhada essa explicação sobre o nome de Deus. Agradeço o esclarecimento Kurare!
um abraço carinhoso
Lee

Anônimo disse...

Por Dios, isso não é uma explicaçao é uma enciclopéia sobre o nome de Deus.
Confesso meu desconhecimento a respeito.
Excelente pesquisa, parabéns.
Bjs
Neca

Angel disse...

Oi Carlos,

O estudo é bem aprofundado. Senti uma pontinha de pre-conceito... posso afirmar que existem cristãos (católicos ou evangélicos ou qq um que assim de denominam) que, de fato, desconhecem a Bíblia. Infelizmente, frequentam igrejas que não se dispõem a ensinar a Bíblia com a verdadeira exegese e hermeneutica que devem pautar qq ensino biblico. Mas... posso tb afirmar categoricamente que existem igrejas que ensinam a palavra de Deus de maneira seria e sistematica, pq eu frequento uma assim. Vc precisa conhecer igrejas como essas. Não é de bom senso generalizar, pq corre o risco de falar algo q desconhece. Visite o site de algumas boas igrejas q ensinam a biblia seriamente. Posso indicar alguns... abçsss
Angel

ps. a maioria dos membros da minha igreja conhecem o sentido do nome de Deus.

Visite: http://www.terceira.org.br/
Esse é o site da minha igreja.

http://iprodigo.com/videos/teologia-e-importante.html
Esse blog é feito por um grupo de jovens da minha igreja, inclusive meu filho participa. Dê uma olhadinha...

Abç
Angel

Carlos Kurare disse...

Menina...Por favor! Leia com atenção o meu texto eu não falei todos! Falei parte. Eu não tenho visão sistêmica! Mal enxergo a luz que brota do meu LCD!
Angel, não é preconceito, é conceito mesmo. Imagine que neste país, 32 milhões de pessoas são analfabetos funcionais. Junte a isso um número enorme de bíblias que omitem deliberadamente o nome de Deus. Junte a isso um sem número de pessoas que não têm o hábito da leitura, mas têm o vício da TV.
Aliás, num país que a população lê pouco, não poderia ser de outra forma. Portanto a conclusão me parece óbvia não há muitos leitores de Bíblias. Mas isso não é preocupante, o que é preocupante é que não há muitos leitores, mas, muitos eleitores que não são leitores.

Educação de qualidade já! Ou continuaremos sendo o eterno país do futuro!

Bem de qualquer maneira fico feliz que a minha postagem provocou: informação, reflexão e discussão.

PS.:
Veja os dados do IBGE sobre analfabetismo funcional:
Analfabetismo Funcional
Analfabeto funcional é a pessoa que possui menos de quatro anos de estudos completos.
Na América Latina, a UNESCO ressalta que o processo de alfabetização só se consolida de fato para as pessoas que completaram a 4ª série. Entre aquelas que não concluíram esse ciclo de ensino, se tem verificado elevadas taxas de volta ao analfabetismo.
De acordo com essa definição, em 2002 o Brasil apresentava um total de 32,1 milhões de analfabetos funcionais, o que representava 26% da população de 15 anos ou mais de idade.

Carlos Kurare disse...

Angel...
Eu visitei o site da sua Igreja, e como não poderia deixar de fazer, fiz umas pesquisas em sua Bíblia digital e vi que vocês não adotam o nome de Deus como Javé ou Jeová, sequer mencionam um nome. Tratam no de SENHOR. “Lc 6:46 E por que me chamais, SENHOR, Senhor, e não fazeis o que eu digo?”
Veja... A Bíblia é uma só, mas tem tantas interpretações...
Afinal! Deus para os cristãos tem ou não um nome? Ele pode ou não ser pronunciado?
A pergunta fica no ar, pois não sou experto nesse assunto e vou ficar esperto para não meter mais a mão nessa cumbuca.
Um abraço Menina!

Angel disse...

Oi Carlos,

De fato, existem mtas traduções da Bíblia. Vulgata, do grego, revista e atualizada, vida, etc. Inclusive posso enviar pra vc um estudo sério sobre essa questão, pq até a Bíblia adotada no catolicismo é diferente da tradução utilizada na igreja evangélica. O assunto é polêmico sim. Mas preliminarmente posso adiantar, respondendo à pergunta que vc deixou no 'ar': o Nome de Deus é pronunciado sim... e bem conhecido em suas variações idiomáticas, em qq igreja evangélica. Se não utilizamos o nome grego é pq a tradução utilizada nas nossas igrejas vem do latim (Vulgata - uma das traduções mais recentes). Sabemos a diferença entre NISSIH, IAVEH, JIREH... todos são "qualificadores" do nome de Deus em grego.
Sobre analfabetismo, concordo plenamente, sem nenhuma contestação. E se existem cristãos q não leem de maneira correta, é pq não são instruídos corretamente (sem exegese e sem hermeneutica). Infelizmente.
Mas volto a dizer que vc desconhece algumas igrejas que incentivam, utilizam e ensinam a Bílbia de maneira sistemática e séria. Quem sabe um dia vc não visita uma dessas e constata por vc mesmo!!?
gde abç
bom fds

ps. eu vou indo aqui com meu dilema (q vc sabe qual)e sem rumo...kkkk

Angel disse...

ps. 2
Só para adicionar um esclarecimento: O nome Iavé (Javé ou Jeová) é bastante difundido entre os adventistas... denominação da qual vc retirou o estudo. Mas lembre-se que as igrejas contemporâneas adotam um uso do nome hebraico IAVÉ (Deus, Senhor...), sem que isso signifique diminuição, desqualificação ou qq desprezo qto ao nome hebraico, ok??

Carlos Kurare disse...

Angel...Obrigado pelo esclarecimento!
Ledo engano o seu ao pensar que não conheço as religiões. É claro que não conheço todas...afinal há tantas!!! ;o)
Usei o material que achei mais coerente dos que pesquisei. Não tenho tempo para pesquisas mais profundas no momento, e essa não é a idéia do Blog ou da minha postagem. Só levanto a bola, quem quiser que a corte! Obrigado por seu comentário!
Quanto ao dilema: Lembre-se "um barco esta seguro no cais, mas não foi para isso que foi construído".
Lance-se ao mar menina! É melhor ferir o casco do navio nas rochas do que vê-lo apodrecer no cais.
Um abraço!
Carlos Kurare

ANÔNIMA FASCINADA disse...

Como sempre vejo pelos comentários o quanto é correto se dizer que "religião não se discute".Achei excelente a materia sobre o nome de Deus,e tomarei o texto como informativo.Não vi nenhum traço de preconceito religioso nele.Sou protestante ,e creio que não importa se chamamos Deus de Jeová, Iavé, Alá, Senhor... Porque Ele é tudo isso e mais...Não há como acomodar todas as Suas qualidades em um só nome.Então o que importa é:Nos dias em que é difícil encontrar quem se lembre de Deus,Carlos Kurarese lembrou e o exaltou nesta pulblicação.Parabéns!

Oi - Bye disse...

Parabéns, a pesquisa é bem esclarecedora.

"NÃO LEVANTARÁS O NOME DE JAVÉ TEU DEUS PARA A FALSIDADE”.

Não estou com a Bíblia aberta para consulta,mas lendo o que escreveu e fazendo um "tur" em tudo o que já ouví, presenciei e continuo testemunhando, penso que o equívico abominável quanto ao mandamento é quando usam o nome de Deus para justificar guerra, opressão e todas as barbáries cometida, sem contar a promessa de um lugar no céu em suaves prestações com valor de quanto você tem no bolso(essa é a interpretação que me vem ao ler esse mandamento). Não estou falando de nenhuma religião específica, mas sim, de algumas pessoas que agem segundo fanatismo ou por "mau-caratismo" mesmo. Todas as religões são boas. Pelo relato detalhado que apresentou, percebe-se como as convenssões humanas manipulam até mesmo o que se tem como verdade absoluta, desde o início. Quanto a mim, não me importo se o nome de Deus é Água, Ar, João, José, Antõnio, Maria, Margarida, ou qualquer outro em tantas quantas líguas, crenças e religões que possam existir e que já existiram desde que o homem é homem e sentiu necessidade de se re-ligar (religião) com seu criador. E é ainda bem impressionante ver como as pessoas se prendem a ideias e conceitos que na verdade e para a verdade, são insignificantes e não vão mudar nada. Deus é, antes do nome, o qual nos serve como sinal, não como essência. Me parece engraçado, mas as vezes noto em algumas pessoas, que quanto mais RELIGIOSAS se tornam, menos entendem o que deveriam procuram na religião.
Me desculpem, mas eu tinha que dizer...
Ah, ia me esquecendo:
Oi e Bye, rs

Anônimo disse...

A questão foi religião.Em uma breve visita li um texto colocado aqui sobre o nome de Deus e me chamou a atenção. Segundo a Biblia e se alguém se interessar em lê-la, em conhecer o que realmente nela está contido,e sem essas historias de várias interpretações, porque não estamos em aula de leteratura, ou jogo de cartas, etc, só há um Deus, Jeová, criador do universo e de todos nós simples humanos mortais e imperfeitos. Seria tão fácil viver se somente ouvissimos Seus conselhos, se somente seguissemos Seus caminhos. Deus, Jeová é o unico. Quem somos nós pra dizer que alguem é santo porque ajudou alguem em um momento dificil, de doença, através de que? Poderes mágicos talvez?E ai corre-se e cria-se uma imagem de gesso e estão todos ali ajoelhados a fazer seus pedidos... Só Deus, Jeová cria, só ele pode curar. Se alguém discordar por favor não se sintam ofendidos, a informação, o conhecimento está ao alcance de todos e ele não é obtido apenas de boca em boca, de mãe pra filha e assim sucessivamente.Deus é o único capaz de ver nossos corações onde estão nossos mais secretos sentimentos, só ele sabe se somos puros ou não, agora santos...nunca o seremos.. Só houve um, Jesus Cristo aquele que deu sua vida por nós, aquele que amou incondicionalmente a seu Deus Jeová mesmo tendo aos seus pés tudo o que pudesse imaginar. Pobres humanos, aos poucos destruímos o paraiso criado com toda a complexidade, a perfeição que se possa imaginar pra nosso deleite, aos poucos destruímos nossos irmãos em nome do poder, da ganancia, do medo, do egoismo. Pobres humanos!!! Quando chegar a hora de encarar o único Deus "Jeová", para o acerto de contas... Jeová não é carrasco, não. Ele é justo e assim será com todos."Receberás de acordo com suas açoes", está lá na Biblia, os interessados, por favor, pesquisem fará muito bem.

Navegante

Carlos Kurare disse...

Agradeço o comentário navegante! Assim que eu terminar de ler o Baghava gita, o alcorão, o Rigveda e o Mahabharata. Farei uma releitura a esse respeito.
Fica na paz!
Aqui deixo a pergunta que não quer calar: “Como pode conviver a luz com a escuridão?”

Anônimo disse...

Parabéns pela ecolha do texto e assunto escolhido.É muito importante pra nós humanos imperfeitos obter e aplicar esse conhecimento.Gostei muito.


Navegante

Anônimo disse...

Oi Bye
Não procuro uma ou outra religião porque ela me faz bem!!!Comer frutas me faz bem, praticar exercicios me faz bem.... Acredito no Deus criador e o respeito e amo porque ele me deu a vida.

Navegante

Anônimo disse...

Por favor... espere um pouco! Tenha paciência comigo, pois, sou muito lentinha e ainda não entendi a lógica de sua argumentação. Nas duas primeiras afirmações, você compara religião a coisas que lhe proporcionam benefícios físicos ou sensoriais. Na conclusão, diz que crê em Deus porque Ele lhe deu a vida e tudo o mais. Está se referindo à que, exatamente? Será que pode me mandar mais uma pista?

Obrigada

Oi - Bye

Anônimo disse...

Oi!
Há um texto de Voltaire, no qual faz uma reflexão sobre religião. Lembrei-me dele e pensei em apresentar apenas as ultimas frases. Mas, pensando melhor, imaginei que poderia ser mal interpretada e, então, ter pessoas ofendidas, o que em hipótese alguma, intencionei. Eu queria resumir o tal texto, porém, para que fique bem entendido e possa dar margens a outras reflexões, se possível, gostaria de postá-lo, na íntegra.

“DEUS”
LOCUTOR: Logômacos, um profundo conhecedor da religião, empreendeu uma viagem a um país distante, detendo-se ao pé de uma montanha. Nesta região, estava o velho Dondindaque em uma sala grande, em companhia da mulher, dos cinco filhos e cinco filhas, seus pais e empregados. Todos eles cantavam louvores a Deus, após um banquete. Ao ver a cena, Logômacos perguntou:
(Logomacôs = LOGO): O que você está fazendo aí, idólatra?
(Dondilaque = DON): Não sou idólatra.
LOGO: Claro que é; você não é do meu povo, e fica cantando de forma estranha, nessa sua língua bárbara.
DON: Deus escuta todas as línguas e todas as formas de louvá-lo de uma maneira sempre bonita.
LOGO: Que coisa extraordinária! Uma família orando junto, sem que ninguém da minha religião tenha ensinado a vocês. Vejamos se você entende profundamente de religião. Quero fazer um teste. Por que estavam falando com Deus?
DON: É justo que adoremos o Ser Supremo que nos deu tudo.
LOGO: Para uma pessoa que não tem a minha crença, até que não está mal. O que vocês estavam pedindo?
DON: Nós estávamos agradecendo a Deus pelos prazeres que temos na vida e pelas dores que nos ensinam a viver. Mas nós não pedimos nada, deixamos por conta de Deus mesmo. Ele sabe o que é bom. Seria estranho, por exemplo, eu ficar pedindo chuva e o meu vizinho pedir um dia de sol. Deus sabe o que é melhor, e nós apenas agradecemos.
LOGO: Ah! Eu sabia que ouviria uma besteira. Tudo bem. Vamos passar ao que interessa: quem ensinou a vocês que Deus existe?
DON: Não precisamos de uma pessoa que nos explique a existência de Deus.
LOGO: Isso é pouco. Que idéia vocês têm do Ser Supremo?
DON: Que ele é nosso pai, que nos recompensa se fazemos o bem e nos castiga se fazemos o mal.
LOGO: Que coisa mais sem importância! Vamos ao essencial: Deus é infinito em relação ao mundo ou em relação a si mesmo? Quais são todos os capítulos dos textos sagrados?
DON: Não entendi.
LOGO: Quanta ignorância! Deus está fora ou ao mesmo em tudo? Quais são as provas da sua existência?
DON: Não sei. Tais coisas nunca me passaram pela cabeça.
LOGO: Bem, vejo que preciso baixar o nível... Você acha que o mundo é eterno?
DON: Veja bem, o que me importa que seja eterno ou não? Quanto a mim, posso afirmar que não sou. De qualquer forma, Deus é o meu pai. Deu-me a noção de justiça e eu devo segui-la. Não quero ser filosofo ou pregador; quero ser homem.
LOGO: Arre! Deus é espírito, ou você não sabe o que é um espírito?
DON: Nem imagino o que seja um espírito. De que me serve saber isso? Saber essas coisas irá me fazer um homem mais justo? Seria melhor marido, melhor pai, melhor patrão, melhor cidadão?
LOGO: É absolutamente necessário ensinar você sobre minha religião; a sua não serve.
DON: Antes de ouvir, lembro que esses dias aconteceu uma coisa muito engraçada. Na minha casa, acabei de construir o esgoto e, então, escutei um verme e uma barata falando de dentro dele:
VERME: Que bela fábrica de comida. Deve ter sido um verme bem poderoso que criou essa grande obra.
BARATA: Isso só pode ser uma piada boba. Quem criou esta grande obra foi uma barata genial, nunca um verme.
DON: Depois que escutei essa conversa, nunca mais quis discutir religião.

Bye

Lucia Helena disse...

Usualmente, não falo sobre religião. Até porque, citando Gandhi, "para mim, as diferentes religiões são lindas flores, provenientes do mesmo jardim. Ou ramos da mesma árvore majestosa. Portanto, são todas verdadeiras." Contudo a sua pergunta que não quer calar me instigou a escrever. Você perguntou: "Como pode a luz conviver com a escuridão?"
Bem... eu digo que não há como luz e escuridão não conviverem, pelo próprio equilíbrio do Universo. Tudo o que existe está em equilíbrio e em igual proporção. Matéria e anti-matéria equivalem-se, o positivo e o negativo sustentam-se, energético e magnético repelem-se e atraem-se eternamente...
O que você escreveu sobre o nome de Deus foi muito bonito. Realmente pensei que esse conhecimento, hoje, estivesse restrito à elite do rabinato e a poucos pesquisadores obstinados. Um abraço agradecido!

Muito além de um jardim!

Flor cuidada por mim Flor Amorosa Num belo dia desejei só para mim Mulher amorosa e decente E como jardineiro diligente Semeei a...