quarta-feira, 5 de maio de 2010

Um trago de palavras...

Querida...Muda!
Toma esta muda de tomilho, esprema-a entre as mãos ao som do Bolero de Ravel.
O aroma dessa música simples, que não é muda!
Falará aos seus ouvidos as palavras que trago, com aguardente, em minha mente.
Não... não fique muda! Seu silêncio pode ensurdecer meu pobre coração!
Carlos Kurare


Maurice Béjart's "Bolero" in the performance of a brilliant Jewish dancer Maya Plisetskaya. (1975)




Retratos da vida - 1980

6 comentários:

Anônimo disse...

De fato, a exemplo de uma simples muda que tem seu crescimento uniforme e progressivo, a magnífica "Boléro" tem seus primeiros acordes simples que vão tomando forma e vigor a cada instante que um novo instrumento musical passa a incorporar a melodia. Feliz comparação!

Catarina (Luna Chiara)

Anônimo disse...

Gostaria de parabenizá-lo pela escolha cultural,atualmente encontrar algo assim é raridade.Abraço

Anônimo disse...

Você é demais!!! Entendo bem o que quer dizer.
Beijo no seu coração tagarela!
Leila Bragança

Isabel_Alvarenga disse...

Kurare, parabéns pela sensibilidade...e por sua capacidade de selecionar coisas lindas para publicar... fico feliz em poder te visitar todos os dias.... bjsss....

Anônimo disse...

Magnífico! Simplesmente maravilhosos...a música e o escrito!
Lee

Marcília (Biba) disse...

Vc é muito sensível e inteligente.
Gostei. Parabéns!!!
Um abraço

Sou do tempo em que montar numa magrela: era só sair para pedalar!

Há três coisas que eu nunca esqueço na vida, mesmo que eu fique muito, muito tempo sem praticar: - Andar de bicicleta; - Nadar; ...